Rock in Rio. Maroon 5 adorados

85 mil espetadores presentes no Rock in Rio, muitos deles para aclamar a banda norte-americana que se rendeu ao sentido de ritmo dos portugueses.

A grande enchente deste sábado no Parque da Bela Vista deve-se muito aos Maroon 5. Não havia um espaço vazio no grande recinto do Rock in Rio durante o espetáculo de hora e meia da banda de Adam Levine. Notou-se grande dinâmica profissional, sem paragens entre as músicas, além das condições luminotécnicas de excelência.

Não houve uma única música que o público português não conhecesse, desde o arranque com Animals. One More Night e Stereo Hearts põem a guitarra-ritmo afinada no reggae. A multidão empolga-se com as canções e um homem trintão pega no smartphone, faz uma chamada-vídeo e começa a dançar com a namorada ausente.

O funky Harder to Breathe, com Adam Levine a multiplicar-se em falsetes, é uma piscadela de olhos aos Jamiroquai. Lucky Strike deve o ritmo dançante ao pé no bombo da bateria de Matt Flynn, enquanto Wake Up Call reaviva outro fantasma, o de Michael Jackson, nesta festa funk.


A programação electrónica do que parece o som de um hélice entra em rotação constante na canção Love Somebody. E de repente será que temos The Police no Rock in Rio? Não, são ainda os Maroon 5, a cantar Maps, com Adam Levine a confundir-se com Sting nos seus maneirismos vocais.

This Love inicia-se só com as vozes de Levine e do público a plenos pulmões, e termina com um solo de guitarra do vocalista, que quer provar que não sabe só cantar. Depois, uma longa jam serve para apresentar os músicos um a um, antes do momento soul da noite com Sunday Morning.

O espetáculo está com bom andamento, com o capricho de ser poupado à chuva - do mesmo não se podem vangloriar as outras estrelas que passaram neste dia pelo Palco Mundo (sobretudo os D.A.M.A.). Já com uma hora em palco, os Maroon 5 têm mais duas prendas para o seu público: os populares Payphone e Daylight, embrulhados naquele rock esperançoso e certinho à moda dos Coldplay.

O encore começa intimista e acústico com a balada enfadonha Lost Stars (tema a solo de Adam Levine) e o início despido de eletrificação de She Will Be Loved. Moves Like Jagger, sem Christina Aguilera, faz levantar muita gente que já estava sentada no relvado mal tratado. E Sugar fecha o concerto, com Adam Levine a mostrar o seu apreço pelo incansável público português. Tudo parece bonito mas uma sensação de insipidez musical ficou sempre a pairar no ar.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?