Marni Nixon, a "voz invisível" de Hollywood, morre aos 86 anos

Provavelmente, a voz mais conhecida de uma anónima responsável por alguns dos momentos musicais mais marcantes da História de Hollywood

Foi voz dos números musicais de Audrey Hepburn no clássico My Fair Lady (1964), de Deborah Kerr no intemporal O Rei e Eu (1956) e de Natalie Wood no famoso West Side Story (1961). Marni Nixon, ou "a voz invisível" de Hollywood, encheu de talento muitas das fitas mais conhecidas da última década da Idade de Ouro do cinema. De acordo com Randy Banner, um amigo e aluno, Marni - nascida Margaret Nixon McEathron - morreu, este domingo, de cancro da mama.

Nixon nasceu em 1930, na Califórnia, e desde criança fez da música uma paixão: cantava em coros profissionais ainda antes de se tornar em soprano e descobrir o seu talento para "dar voz" aos momentos musicais cinematográficos.

Em 1949, forneceu pela primeira vez voz a um número musical de Hollywood, emprestando a Margaret O'Brien o seu talento numa adaptação de The Secret Garden. Quatro anos depois, era Marilyn Monroe a beneficiar do seu auxílio, trocando as notas mais altas do conhecido Diamonds are a girl's best friends - no filme Gentlemen Prefer Blondes (1953) - (que Monroe não conseguia atingir) pela voz de Nixon.

Marni acabou eventualmente por conseguir alguns pequenos papéis na indústria, incluindo o lugar de uma das freiras no A Música no Coração (1965) (Nixon canta "But her penitence is real" - na canção "Maria".)

Andou ainda pela animação - dando voz à 'avó Fa' no Mulan (1998) - pelo ensino - lecionando no California Institute of Arts e Music Academy of the West - e pela Broadway, participando em Follies de Sephen Sondheim e Nine de Maury Yeston.

Marnie Nixon deixa três filhos fruto do seu primeiro casamento com Ernest Gold, compositor de bandas sonoras (de quem se divorciou em 1969), reporta o The Guardian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.