Mário Dorminsky hospitalizado na sequência de um AVC

A organização do Fantasporto informou que o diretor e um dos fundadores do festival está "estável e bem disposto"

Um dos fundadores e diretores do Festival Internacional de Cinema do Porto Fantasporto Mário Dorminsky encontra-se hospitalizado na sequência de um acidente vascular cerebral (AVC), estando em situação "estável e bem disposto", informou hoje a organização.

"Pela primeira vez o Fantasporto, que se iniciou segunda-feira na sua fase pré-competitiva, arrancou sem MárioDorminsky um dos seus fundadores e codirector, que se encontra hospitalizado na sequência de um ligeiro acidente vascular cerebral", pode ler-se no comunicado divulgado esta tarde.

De acordo com a mesma informação, Dorminsky"mantém-se internado numa unidade hospitalar do Porto, em observação, enquanto efetua uma série de exames indispensáveis nestes casos, antes de qualquer decisão sobre uma eventual alta hospitalar".

O festival, que arrancou na segunda-feira em modo "pré-Fantas" e tem o início da secção competitiva na sexta-feira, "prossegue, tal como previsto, com a equipa habitual sob a direção de Beatriz Pacheco Pereira, codirectora e também fundadora do festival".

"A direção do Fantasporto espera que Mário Dorminsky se possa reincorporar na equipa do festival ainda durante a sua realização, caso os médicos o venham a autorizar", acrescentou o comunicado.

A 36.ª edição do Fantasporto arrancou na segunda-feira com o início da retrospetiva dedicada ao realizador macedónio Milcho Manchevski e com a "primeira das muitas produções latinoamericanas presentes este ano no festival", segundo a organização.

Na sexta-feira, inicia-se a secção competitiva do Fantasporto, com a antestreia mundial de "Gelo", de Luís e Gonçalo Galvão Telles, sobre Catarina, "uma jovem nascida do ADN retirado da idade do gelo, que cresce num palácio isolado, onde é submetida a vários testes, até que reencontra o passado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...