Marcelo elogia a arte de Rui Chafes

"Absoluta singularidade enquanto artista" foi destacada por Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República considerou esta sexta-feira que a atribuição do Prémio Pessoa 2015 ao escultor Rui Chafes foi um justo reconhecimento da sua "absoluta singularidade enquanto artista", descrevendo o seu trabalho como "uma arte poética e meditativa".

Na cerimónia de entrega deste prémio, que é uma iniciativa do jornal Expresso e da Caixa Geral de Depósitos, Marcelo Rebelo de Sousa elogiou também este semanário, do qual fez parte, nos tempos da sua formação.

Sobre Rui Chafes, o primeiro escultor a receber o Prémio Pessoa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "é a justo título galardoado", num sinal de "reconhecimento pelo percurso e a sua absoluta singularidade enquanto artista".

Segundo o Presidente da República, "o júri decidiu premiar um universo lento, denso, pensado, coerente, em tudo contrário à ideia de espetáculo". "É uma arte poética e meditativa, espiritual, se quisermos", acrescentou.

O Presidente da República referiu que para Rui Chafes "o lugar ideal da arte não são os museus, mas as igrejas, as capelas, os palácios, as grutas, as cavernas, as casas e todos os espaços onde as pessoas vivem e convivem com a arte diariamente", concluindo: "É esse viver e conviver que também aqui celebramos".

Sobre o semanário, o Presidente da República notou que "o Expresso representou uma escola precursora da democracia portuguesa, uma das matrizes da democracia portuguesa. E está por escrever a obra acerca do papel do Expresso nas várias fases da democracia portuguesa". Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou ainda esta oportunidade para "agradecer, como Presidente da República de Portugal, ao semanário o que fez pela sociedade portuguesa, o que continua a realizar pela sociedade portuguesa".

Na ausência do presidente da Impresa, Francisco Pinto Balsemão, devido a uma gripe, o chefe de Estado pediu ao seu filho, Francisco Pedro Balsemão, que lhe transmitisse "um sentimento de saudade e de gratidão" pelos tempos do Expresso, declarando que aprendeu com ele, "não apenas comunicação social, mas também democracia e também vivência cívica".

O Prémio Pessoa é atribuído anualmente, há 29 anos, a uma personalidade nacional que se tenha destacado nas áreas cultural, literária, científica, artística ou jurídica.

O prémio tem, este ano, o valor pecuniário de 60.000 euros.

Rui Chafes, nascido em Lisboa, em 1966, foi o primeiro escultor a receber esta distinção, tendo o júri considerado que o artista plástico "consegue o feito raro de produzir uma obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...