Marcelo ajuda a pôr o Sequeira no Lugar

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou hoje o Museu Nacional de Arte Antiga onde contribuiu com 150 euros para a campanha "Vamos Pôr o Sequeira no Lugar".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu hoje um contributo pessoal de 150 euros para a compra pelo Museu Nacional de Arte Antiga do quadro de Domingos Sequeira A Adoração dos Magos, de 1828.

"Apetecia-me dar muito mais, mas pensei na situação de muitos portugueses - o que ganham em pensões, em reformas e em salários mínimos - e dei 150 euros, para precisamente não poder ser acusado de ferir a suscetibilidade muitos, muitos portugueses", declarou o chefe de Estado aos jornalistas, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa juntou-se assim à campanha de angariação de fundos "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo", salientando que aquele "contributo modesto" não era do Presidente da República, mas "do cidadão titular do órgão de soberania".

No entanto, não excluiu que se possa "ir mais além", se for necessário, dentro das possibilidades da Presidência da República.

Antes, numa curta intervenção, o Presidente elogiou o trabalho de António Filipe Pimentel como diretor do Museu Nacional de Arte Antiga e apoiou a atribuição de "um estatuto jurídico próprio" a esta instituição, que lhe dê "melhores condições administrativas e financeiras", pedindo que isso "não tarde".

Esta foi a terceira iniciativa em que Marcelo Rebelo de Sousa esteve hoje, sem intervalos, e a quarta vez que falou aos jornalistas, num dia que começou às 12:00, com uma visita à Microsoft Portugal, em Lisboa, onde entregou à Talkdesk o prémio de 'startup' do ano.

Hoje foi também conhecido o contributo da Junta de Freguesia do Lumiar, em Lisboa. A autarquia vai contribuir com seis cêntimos por munícipe, num total de 2736,30 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.