Marcelo ajuda a pôr o Sequeira no Lugar

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou hoje o Museu Nacional de Arte Antiga onde contribuiu com 150 euros para a campanha "Vamos Pôr o Sequeira no Lugar".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu hoje um contributo pessoal de 150 euros para a compra pelo Museu Nacional de Arte Antiga do quadro de Domingos Sequeira A Adoração dos Magos, de 1828.

"Apetecia-me dar muito mais, mas pensei na situação de muitos portugueses - o que ganham em pensões, em reformas e em salários mínimos - e dei 150 euros, para precisamente não poder ser acusado de ferir a suscetibilidade muitos, muitos portugueses", declarou o chefe de Estado aos jornalistas, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa juntou-se assim à campanha de angariação de fundos "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo", salientando que aquele "contributo modesto" não era do Presidente da República, mas "do cidadão titular do órgão de soberania".

No entanto, não excluiu que se possa "ir mais além", se for necessário, dentro das possibilidades da Presidência da República.

Antes, numa curta intervenção, o Presidente elogiou o trabalho de António Filipe Pimentel como diretor do Museu Nacional de Arte Antiga e apoiou a atribuição de "um estatuto jurídico próprio" a esta instituição, que lhe dê "melhores condições administrativas e financeiras", pedindo que isso "não tarde".

Esta foi a terceira iniciativa em que Marcelo Rebelo de Sousa esteve hoje, sem intervalos, e a quarta vez que falou aos jornalistas, num dia que começou às 12:00, com uma visita à Microsoft Portugal, em Lisboa, onde entregou à Talkdesk o prémio de 'startup' do ano.

Hoje foi também conhecido o contributo da Junta de Freguesia do Lumiar, em Lisboa. A autarquia vai contribuir com seis cêntimos por munícipe, num total de 2736,30 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.