Marcelo: "Madalena Iglésias é uma saudosa memória viva para quem a ouviu"

Presidente da República refere-se à cantora como "ídolo de uma geração"

Marcelo Rebelo de Sousa lamentou hoje a morte de Madalena Iglésias, a quem se referiu como "ídolo de uma geração". Em nota publicada no site da presidência, recorda o percurso da cantora e apresenta as condolências à família.

Para o presidente da República, a artista "é uma saudosa memória viva para quem a ouviu, à época como agora", "pela sua presença, pela sua voz, e pela capacidade que teve de representar as novidades 'pop' que influenciavam a 'música ligeira' de então".

Ídolo de uma geração, Madalena Iglésias celebrizou-se com o tema «Ele e Ela», que venceu o Festival da Canção em 1966. Autora de uma intensa produção discográfica na década de 1960, estrela da rádio e da televisão, manteve ainda uma conhecida dupla cinematográfica com António Calvário", lembra Marcelo.

"A sua popularidade em Portugal tornou-a numa das figuras mais conhecidas de então, o que levou a que atuasse também em vários países europeus e latino-americanos. Na década de 70 trocou o estrelato pela vida familiar. Viveu na Venezuela e depois em Barcelona, mas manteve-se um mito português, ao ponto de um famoso espetáculo musical se ter intitulado What Happened to Madalena Iglésias?", acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.