Mão Morta "remix" chega esta noite à Aula Magna

Junção inédita da banda bracarense com o Remix Ensemble dá novas roupagens a 13 temas do grupo, arranjados por Telmo Marques. Concerto é às 21.30 e digressão termina amanhã, na Casa da Música

No princípio, esteve a vontade do Theatro Circo de fechar de forma marcante a comemoração dos 100 anos da sala: "foi engraçado, porque desde o espetáculo de encerramento do Guimarães 2012, com a Filarmonia das Beiras, que foi a nossa primeira experiência de junção de sonoridades elétricas com uma orquestra, ficou o "bichinho" de repetir", conta Adolfo Luxúria Caníbal, líder dos Mão Morta, a propósito de nova junção, agora, com o Remix Ensemble.

Mas "repetir" não é o termo exato: "interessava-nos mais trabalhar um tipo de sonoridade partindo de timbres individuais, mais experimental nesse campo e mais exploratório nos arranjos, o que ia mais de encontro a algo como o Remix". Encontro que não era líquido: "tinha havido recusas no passado, mas desta vez disseram logo que sim e apesar da agenda preenchida, houve um esforço enorme deles para conseguirem esta aberta".

O alinhamento começa com uma Abertura do arranjador Telmo Marques, construída a partir de vários temas dos Mão Morta: "quando nos informámos sobre o Telmo, tornou-se evidente, assim de forma descarada, que ele seria a pessoa apropriada. Foi a escolha unânime. E ele também gosta dos Mão Morta e sentiu uma alegria enorme por poder trabalhar connosco".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.