Livros a Oeste abre com "O Canto e as Armas" de Manuel Alegre

Os escritores Manuel Alegre, Rui Zink, Mário Zambujal e Manuel da Silva Ramos são alguns dos convidados do festival Livros a Oeste, de 09 a 13 de maio na Lourinhã, anunciou hoje a Câmara Municipal.

A sexta edição do festival abre a 09 de maio com a apresentação da edição dos 50 anos da obra O Canto e as Armas de Manuel Alegre, com a presença do autor, seguindo-se uma conferência intitulada O poema é uma gaveta da memória, com a participação de Manuel Alegre, Olinda Beja, do comissário do Plano Nacional de Leitura, Fernando Pinto do Amaral, e da atriz Natália Luiza.

No dia 10, é a vez da escritora, professora e jornalista Isabela Figueiredo apresentar os seus livros Caderno de Memórias Coloniais e A Gorda. No mesmo dia, José do Carmo Francisco e Rui Miguel Tovar, autor do livro Bola ao Ar, falam sobre as histórias mais insólitas do futebol português.

A 11, visitam o festival os escritores Rui Zink e Afonso Cruz que, em conjunto com frei Fernando Ventura, participam na conferência Creio na palavra.

No dia seguinte, o cantor e compositor Sérgio Godinho fala do seu livro Coração mais que perfeito e participa na conferência Portugal: strip tease de um país, com os escritores Manuel da Silva Ramos e Miguel Real.

Mário Zambujal, Cristina Norton e Helena Vasconcelos vão falar na conferência O escritor é um oleiro cego, no último dia, que encerra também com um concerto de Sérgio Godinho.

Além de apresentações de livros e conferências, o festival conta com espetáculos de música e dança, teatro, sessões de poesia, exposições e horas do conto.

Ler é viver é o tema desta edição, que integra ainda uma feira do livro na praça José Máximo da Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.