Livros a Oeste abre com "O Canto e as Armas" de Manuel Alegre

Os escritores Manuel Alegre, Rui Zink, Mário Zambujal e Manuel da Silva Ramos são alguns dos convidados do festival Livros a Oeste, de 09 a 13 de maio na Lourinhã, anunciou hoje a Câmara Municipal.

A sexta edição do festival abre a 09 de maio com a apresentação da edição dos 50 anos da obra O Canto e as Armas de Manuel Alegre, com a presença do autor, seguindo-se uma conferência intitulada O poema é uma gaveta da memória, com a participação de Manuel Alegre, Olinda Beja, do comissário do Plano Nacional de Leitura, Fernando Pinto do Amaral, e da atriz Natália Luiza.

No dia 10, é a vez da escritora, professora e jornalista Isabela Figueiredo apresentar os seus livros Caderno de Memórias Coloniais e A Gorda. No mesmo dia, José do Carmo Francisco e Rui Miguel Tovar, autor do livro Bola ao Ar, falam sobre as histórias mais insólitas do futebol português.

A 11, visitam o festival os escritores Rui Zink e Afonso Cruz que, em conjunto com frei Fernando Ventura, participam na conferência Creio na palavra.

No dia seguinte, o cantor e compositor Sérgio Godinho fala do seu livro Coração mais que perfeito e participa na conferência Portugal: strip tease de um país, com os escritores Manuel da Silva Ramos e Miguel Real.

Mário Zambujal, Cristina Norton e Helena Vasconcelos vão falar na conferência O escritor é um oleiro cego, no último dia, que encerra também com um concerto de Sérgio Godinho.

Além de apresentações de livros e conferências, o festival conta com espetáculos de música e dança, teatro, sessões de poesia, exposições e horas do conto.

Ler é viver é o tema desta edição, que integra ainda uma feira do livro na praça José Máximo da Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.