Livros a Oeste abre com "O Canto e as Armas" de Manuel Alegre

Os escritores Manuel Alegre, Rui Zink, Mário Zambujal e Manuel da Silva Ramos são alguns dos convidados do festival Livros a Oeste, de 09 a 13 de maio na Lourinhã, anunciou hoje a Câmara Municipal.

A sexta edição do festival abre a 09 de maio com a apresentação da edição dos 50 anos da obra O Canto e as Armas de Manuel Alegre, com a presença do autor, seguindo-se uma conferência intitulada O poema é uma gaveta da memória, com a participação de Manuel Alegre, Olinda Beja, do comissário do Plano Nacional de Leitura, Fernando Pinto do Amaral, e da atriz Natália Luiza.

No dia 10, é a vez da escritora, professora e jornalista Isabela Figueiredo apresentar os seus livros Caderno de Memórias Coloniais e A Gorda. No mesmo dia, José do Carmo Francisco e Rui Miguel Tovar, autor do livro Bola ao Ar, falam sobre as histórias mais insólitas do futebol português.

A 11, visitam o festival os escritores Rui Zink e Afonso Cruz que, em conjunto com frei Fernando Ventura, participam na conferência Creio na palavra.

No dia seguinte, o cantor e compositor Sérgio Godinho fala do seu livro Coração mais que perfeito e participa na conferência Portugal: strip tease de um país, com os escritores Manuel da Silva Ramos e Miguel Real.

Mário Zambujal, Cristina Norton e Helena Vasconcelos vão falar na conferência O escritor é um oleiro cego, no último dia, que encerra também com um concerto de Sérgio Godinho.

Além de apresentações de livros e conferências, o festival conta com espetáculos de música e dança, teatro, sessões de poesia, exposições e horas do conto.

Ler é viver é o tema desta edição, que integra ainda uma feira do livro na praça José Máximo da Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.