Manifestante em chamas na Venezuela é a fotografia do ano

Já são conhecidos os vencedores do World Press Photo 2018. A cerimónia decorreu esta noite em Amesterdão, na Holanda

E o vencedor é o fotógrafo venezuelano Ronaldo Schmidt, com a imagem de um manifestante em chamas nas ruas de Caracas, Venezuela. O anúncio foi feito esta noite numa cerimónia em Amesterdão, na Holanda.

"Não parei de fotografar até perceber o que se estava a passar. Estava alguém em chamas a correr em direção a mim", disse Ronaldo Schmidt, fotógrafo da AFP, citado pela World Press Photo.

Entre os temas finalistas encontravam-se os refugiados (com destaque para a fuga dos rohingya), e o terrorismo, com o ataque de Londres. Os seis fotógrafos finalistas eram oriundos da Austrália, Irlanda, Reino Unido e a Venezuela.

Concorreram ao World Press Photo 2018 4548 fotógrafos de 125 países. Foram enviadas 73044 fotografias para apreciação. Em concurso estiveram oito categorias.

O júri do prestigiado concurso de fotojornalismo foi presidido por Magdalena Herrera, diretora de fotografia da Geo France.

A exposição World Press Photo 2018 chega a Portugal já no próximo dia 27 de abril. As melhores fotografias do mundo estarão em exposição no Hub Creativo do Beato, em Lisboa até 20 de maio.

No ano passado, a fotografia vencedora foi a do fotógrafo turco, Burhan Ozbilici, que registou o assassinato do embaixador russo na Turquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.