Manifestante em chamas na Venezuela é a fotografia do ano

Já são conhecidos os vencedores do World Press Photo 2018. A cerimónia decorreu esta noite em Amesterdão, na Holanda

E o vencedor é o fotógrafo venezuelano Ronaldo Schmidt, com a imagem de um manifestante em chamas nas ruas de Caracas, Venezuela. O anúncio foi feito esta noite numa cerimónia em Amesterdão, na Holanda.

"Não parei de fotografar até perceber o que se estava a passar. Estava alguém em chamas a correr em direção a mim", disse Ronaldo Schmidt, fotógrafo da AFP, citado pela World Press Photo.

Entre os temas finalistas encontravam-se os refugiados (com destaque para a fuga dos rohingya), e o terrorismo, com o ataque de Londres. Os seis fotógrafos finalistas eram oriundos da Austrália, Irlanda, Reino Unido e a Venezuela.

Concorreram ao World Press Photo 2018 4548 fotógrafos de 125 países. Foram enviadas 73044 fotografias para apreciação. Em concurso estiveram oito categorias.

O júri do prestigiado concurso de fotojornalismo foi presidido por Magdalena Herrera, diretora de fotografia da Geo France.

A exposição World Press Photo 2018 chega a Portugal já no próximo dia 27 de abril. As melhores fotografias do mundo estarão em exposição no Hub Creativo do Beato, em Lisboa até 20 de maio.

No ano passado, a fotografia vencedora foi a do fotógrafo turco, Burhan Ozbilici, que registou o assassinato do embaixador russo na Turquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.