Mais de 25 mil visitaram no fim-de-semana 60 espaços no âmbito da Open House

Mais de 25 mil pessoas visitaram, no sábado e no domingo, 60 espaços no Porto, em Vila Nova de Gaia e em Matosinhos, que estiveram abertos no âmbito da iniciativa Open House Porto, foi hoje anunciado.

A Casa da Arquitectura -- Centro Português de Arquitectura, que produziu e organizou a 3.ª edição do Open House Porto, divulgou ontem, em comunicado, que "um total de 25.377 pessoas visitaram os 60 espaços".

Esta habitação em Miraflor foi um dos espaços que foi visitado durante o fim-de-semana do Open House Porto

O Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões foi o espaço mais visitado, "com mais de seis mil visitas registadas (6.294)", à semelhança do que aconteceu em 2016. O segundo espaço mais visitado foi o Quarteirão da Real Vinícola, em Matosinhos (2.015 entradas), "onde inaugura a 18 de novembro a nova sede da Casa da Arquitetura".

A Casa de Chá da Boa Nova recebeu, só no domingo, único dia em que abriu as portas ao público, 685 visitantes.

No Porto, os locais mais visitados foram o Museu de Arte Sacra e Arqueologia/ Igreja de S. Lourenço com 1.044 visitantes, seguido pelo Palácio do Bolhão com 612. O Hospital de Conde Ferreira, estreante no roteiro Open House, teve 611 visitas.

O Mosteiro da Serra do Pilar foi o espaço com mais visitantes, 1.589, em Vila Nova de Gaia. Já a Torre da PT, uma novidade na Open House Porto, teve 1.012 visitantes no sábado, único dia em que abriu portas.

Para a organização da iniciativa, os números desta edição "vêm confirmar o sucesso de um evento que não beneficiou, este ano, do efeito de novidade do Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, que abriu as portas ao público o ano passado com 14 mil visitantes registados na edição de 2016 do Open House Porto".

O Open House Porto mobilizou este ano 220 voluntários, mais 40 do que a edição de 2016, ano em que foi visitado por cerca de 30 mil pessoas (11.000 em 2015).

A edição deste ano incluiu 156 visitas comentadas por 75 especialistas e autores de projeto.

Criado em 1992 por Victoria Thornton, convidada desta edição, o Open House nasceu em Londres e, desde então, estendeu-se por todo o mundo, abrangendo 31 países.

Acontece também em Lisboa. A edição deste ano está marcada para 23 e 24 de setembro.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.