Madredeus. "Não existe grupo mais popular do que o nosso"

Uma banda que ajuda a explicar "o que é isso de ser português". Os Madredeus têm um novo trabalho

Os Madredeus estão de regresso com um novo disco, o primeiro escrito e composto de raiz para a nova vocalista, Beatriz Nunes, na banda desde 2011. O fundador Pedro Ayres Magalhães falou com o DN sobre este novo capítulo de uma carreira "única e irrepetível" no panorama da música nacional, que cumpre neste ano três décadas de existência.

Corria o ano de 1985 quando, nos intervalos dos Heróis do Mar e dos Sétima Legião, Pedro Ayres Magalhães e Rodrigo Leão se reuniram pela primeira vez para "uns ensaios", que viriam a dar início a um dos projetos mais marcantes da história da música portuguesa, os Madredeus, o primeiro e talvez o maior fenómeno de internacionalização para além de Amália Rodrigues. Da formação original resta apenas Pedro Ayres Magalhães que, aos 56 anos, se assume cada vez mais como o guardião desse legado, mais uma vez renovado com o novo Capricho Sentimental, o primeiro disco escrito de raiz para a vocalista, Beatriz Nunes.

A uma primeira audição, parece haver um lado mais erudito, de câmara, nesta nova formação. Concorda?

Já havia esse lado no disco anterior. É de facto um ensemble muito curioso e já estávamos há anos para fazer isto. Fizemos algo parecido nos arranjos da Banda Cósmica e na altura ficou óbvio para nós que se alguma vez tivéssemos um grupo só com teclas, guitarra, harpa e violoncelo iríamos gostar muito do resultado final. Na altura fizemos arranjos de harpa para dezenas de canções do Madredeus e esse é um património que pretendemos explorar. Agora repescámos esse conceito e embora as canções deste disco sejam todas inéditas, muitas das antigas também já estão preparadas para ser tocadas com esta nova formação.

Pode dizer-se que este disco foi feito a pensar na voz da Beatriz?

Sim, porque sabíamos que ia funcionar. Especialmente por causa da voz da Beatriz, que tem um rigor interpretativo único.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.