MAAT recebe 12 mil visitantes em dia de aniversário

Mais de 12 mil pessoas estiveram no MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia hoje, dia do primeiro aniversário.

Em dia de entrada livre, assinalando o primeiro aniversário do MAAT, mais de 12 mil visitantes passaram pelo museu, segundo fonte oficial da EDP.

As comemorações começaram ontem à noite, às 23.00, com um concerto do projeto Moullinex, e uma festa ao longo da noite. Pela festa passaram 900 pessoas.

Hoje foram inauguradas três novas exposições: Quote/ Unquote. Entre Apropriação e Diálogo, a partir da coleção de artistas portugueses da Fundação EDP, Artists Film International (vídeos assinados por 17 artistas de 17 lugares) e a obra Shadow Soundings que ocupa a galeria oval do novo edifício. Trata-se de instalação sonora e em vídeo em que o artista capta os sons da ponte 25 de Abril e as imagens que lhes correspondem. Na galeria principal do museu está atualmente patente a exposição Tensão e Conflito. Arte em Vídeo Pós-2008.

O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, uma obra de arquitetura assinada pela artista britânica Amanda Levete, abriu as portas há um ano, também com entrada livre, e recebeu a visita de 15 mil pessoas. Segundo Miguel Coutinho, administrador-executivo da Fundação EDP, passaram pelos dois edifícios -- Central Tejo e MAAT - 550 mil pessoas, 268 mil entre janeiro e agosto.

No último ano, pelas 23 exposições do museu passaram 432 artistas, 137 deles portugueses.

"Vamos expor pela primeira vez, na primavera, a coleção de Pedro Cabrita Reis, que foi uma compra importante que a fundação fez", disse Miguel Coutinho, em entrevista ao DN, sobre a programação que aí vem. Está também prevista a exposição Happy Show, de Stefan Sagmeister, e, na Galeria Oval, a instalação que Xavier Veilhan fez no pavilhão francês da Bienal de Veneza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.