MAAT nomeado para o Prémio Internacional RIBA

Edifício do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa, é um dos 62 que está na lista longa do prémio do prémio

São 62 os edifícios escolhidos para a lista de candidatados ao RIBA International Prize e, entre eles, está o MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa, projetado pela arquiteta Amanda Levete (atelier londrino AL A) e inaugurado no ano passado.

A lista de nomeados, disse Ben Derbyshire, presidente do RIBA, em comunicado, "ilustra o impacto significativo e a qualidade transformadora que os edifícios bem desenhados podem ter nas comunidades, em qualquer parte do mundo". Há nove categorias de edifícios, incluindo espaços públicos e privados, locais de trabalho, casas, fábricas, museus, blocos de apartamentos, edifícios que respondem a catástrofes naturais e novas paisagens arquitetónicas. Há lugar para a inovação, como por exemplo, numa nova mesquita em Instambul (Turquia), um museu "invisível" nas dunas na Dinamarca ou um par de blocos de apartamentos com uma floresta vertical numa antiga zona industrial de Milão (Itália).

Destes 62 edifícios de 29 países apenas 4 vão ser finalistas do prémio bienal que está apenas na sua segunda edição. A decisão do júri só será conhecida em dezembro do próximo ano.

Este é apenas um dos prémios atribuídos pelo RIBA, que é o Royal Institute of British Architects. Em 2016 o vencedor foi o edifício da UTEC, Universidade de Engenharia e Tecnologia, em Lima (Perú), da autoria dos Grafton Architects.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.