MAAT é candidato a edifício do ano

O MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa, concebido pela arquiteta britânica Amanda Levete, é um dos finalistas ao prémio de edifício do ano do Festival Mundial de Arquitetura.

O museu projetado pela arquiteta britânica para a Fundação EDP está entre os candidatos a edifício do ano na categoria de Cultura do World Architecture Festival (Festival Mundial de Arquitetura), foi anunciado hoje.

Parte de um campus de 38 mil metros quadrados de que faz parte a Central Tejo, o edifício do MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, que assinala o primeiro ano de vida no dia 4 de outubro, compete pelo prémio na categoria de Cultura ao lado de outras 15 obras. Entre elas, A Lanterna - Galeria Nanoco, um projeto dos arquitetos Vo Trong Nghia, em Hanoi, no Vietname, o Museu do Conhaque na Rússia, da autoria de Totement/ Paper, o Museu de Artes de Nantes, o novo teatro de Xangai ou o museu palestiniano de Heneghan Peng Architects.

Oriundos de 68 países, os edifícios estão repartidos por cerca de 20 categorias (restauração, saúde, hotelaria, educação ou habitação, para mencionar algumas), entre edifícios concluídos (como é o caso do MAAT) e projetos futuros.

Entre os selecionados está também um projeto do gabinete de Zaha Hadid. A arquiteta britânica de origem iraquiana, vencedora do Prémio Pritzker, morreu em março de 2016, mas o trabalho continua, pela mão do seu mais direto colaborador, Patrik Schumacher.

É um ano de edifícios que desafiam as convenções. Entre os finalistas está uma estrutura em forma de smile, da autoria de Alison Brooks, uma torre de observação que se move, um conjunto habitacional em Londres no qual o arquiteto Peter Salter trabalha há 13 anos, um passadiço de 600 metros ligado a uma torre de observação (autoria do gabinete dinamarquês EFFEKT).

Os vencedores serão anunciados durante o World Architecture Festival, que acontece nos dias 15. 16 e 17 de novembro, em Berlim. É a segunda vez que o festival, nascido em Barcelona, acontece na capital alemã.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.