Luísa Taveira reconduzida como diretora da Companhia Nacional de Bailado

"Opção de continuidade" e "reconhecimento" do trabalho desenvolvido são as razões que sustentam a decisão do ministro da Cultura, João Soares

A atual diretora da Companhia Nacional de Bailado, em Lisboa, Luísa Taveira, foi reconduzida no cargo por mais três anos (2016-2018), por despacho conjunto do Ministério da Cultura e Ministério das Finanças, foi hoje anunciado.

De acordo com um comunicado divulgado pelo Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (GEPAC), a decisão do ministro da Cultura, João Soares, "aponta para uma opção de continuidade, e é o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido até aqui pela diretora artística" da Companhia Nacional de Bailado (CNB).

No mesmo comunicado, é ainda sublinhado que Luísa Taveira, "além de um vastíssimo currículo nacional e internacional, tanto na dança clássica como na dança contemporânea, possui também ampla experiência nas áreas da programação, da criação e da gestão de recursos humanos".

No despacho conjunto, segundo o GEPAC, é ainda destacado que a diretora "possui um profundo conhecimento da realidade artística da dança em Portugal e da Companhia Nacional de Bailado, bem como do papel que a CNB deve desempenhar no panorama cultural português e da importância da internacionalização".

"A renomeação de Luísa Taveira é também, assim, um reconhecimento dos esforços de enquadramento da companhia nas tendências artísticas de dança clássica e contemporânea europeia", acrescenta o comunicado oficial.

Luísa Taveira é diretora da CNB desde outubro de 2010, onde entrou depois da saída de Vasco Wellemkamp, que foi diretor entre 2007 e 2010.

Natural do Porto, Luísa Taveira começou a estudar dança aos nove anos, com o professor Pirmin Treku, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian na Upper School do Royal Ballet, em Londres, finalizando os seus estudos com Maryon Lane, Pamela May, Piers Beaumont, Leonid Massine e Ninette de Valois, entre outros.

De regresso a Portugal, ingressou na CNB - da qual é membro fundador - sendo escolhida, na temporada inaugural da companhia, para o papel de Odete, do "Lago dos Cisnes".

Entre 1985 e 1988, foi artista convidada de várias companhias europeias com as quais dança em Inglaterra, Bélgica, França, Alemanha, Suíça, Itália e Áustria, destacando-se a sua participação no London City Ballet.

Em 1982, recebe o prémio de imprensa para a melhor bailarina, ingressando em 1988 no Ballet Gulbenkian, saindo um ano depois para ensinar no Conservatório Nacional, onde permanece durante 13 anos.

Entre 1996 e 2000, a convite do então diretor da CNB Jorge Salavisa, assumiu as funções de diretora artística adjunta e, posteriormente, de diretora artística da entidade.

Foi programadora de dança, teatro e ópera no Centro Cultural de Belém - onde criou a Companhia Maior, um projeto de intérpretes com mais de 60 anos - e também foi professora coordenadora do ramo de espetáculo da Escola Superior de Dança, do Instituto Politécnico de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.