Luís Sequeira vai pela primeira vez aos Óscares. E logo como nomeado

O português é o responsável pelo guarda-roupa do filme "A Forma da Água".

Há um português nomeado para os Óscares deste ano. Não é lusodescendente, como muitos insistem em chamar-lhe. Nasceu, em Toronto, Canadá, é verdade, numa família de emigrantes portugueses (a mãe vinda da zona do Estoril, o pai da região de Aveiro). Mas tem dupla nacionalidade. E tem uma relação muito próxima com Portugal. Para ele, não se trata de um país longínquo que conhece apenas das histórias contadas nos almoços de família. Luís tem casa em Portugal, país que visita duas a três vezes por ano. Tem amigos, familiares, comidas preferidas, locais onde gosta de estar. "A minha alma é portuguesa", diz, numa conversa telefónica em português. De vez em quando faltam-lhe as palavras. "Como se diz?", pergunta. Mas não deixemos que o sotaque interfira neste orgulho que temos quando dizemos isto: há um português nomeado para os Óscares deste ano, chama-se Luís Sequeira e é o responsável pelo guarda-roupa de A Forma da Água, de Guillermo del Toro.

Luís conta a história da mãe que, antes de ir para o Canadá, tinha um atelier de vestidos de noiva em Lisboa. Foi com ela aprendeu a dar os primeiros pontos. Depois, estudou moda e fez o percurso habitual de qualquer estilista. Trabalhou na indústria, foi assistente e acabou por lançar a sua própria marca, apresentou coleções, teve uma loja. Um dia, teve oportunidade de trabalhar na televisão e, surpreendentemente, acabou por gostar bastante da experiência.

Ser figurinista - costume designer é o termo que aparece nas fichas técnicas em inglês - é diferente de ser estilista. Em vez de trabalhar para o mercado e para um consumidor que vai usar as suas roupas na rua, Sequeira trabalha em função de um imaginário, criando roupas que só serão usadas nas filmagens. Esta acabou por se tornar a sua grande paixão. "Na televisão, temos pouco tempo. Fazemos roupas para um episódio e na semana seguinte já estamos a fazer outra coisa completamente diferente", explica. No cinema, trata-se de criar um mundo.

No caso de A Forma da Água, o realizador é Guillermo del Toro, com quem Luís Sequeira já tinha trabalhado em três temporadas das série The Strain. "Ele é muito exigente. Trabalhar com ele significa estar sempre a dar o máximo, ele não fica contente com qualquer coisa, tem de ser o melhor", conta.

A ação de A Forma da Água passa-se nos anos 60, em plena Guerra Fria. No entanto, a imagem que Del Toro gostaria de passar era quase como se este fosse um filme de ficção científica feito nos anos 60. "Há uma imagem um bocadinho retro, que fomos buscar ao cinema noir dos anos 50. Há ali um lado antigo, nos cenários e na cor. Como se estivéssemos a ver um filme antigo. Mas por outro lado, é como se estivéssemos a olhar para o futuro. E parecia que toda a gente achava que o futuro ia ser feio", lembra Luís Sequeira. "Quando estávamos no set de filmagens era como se estivéssemos num outro universo. Tudo foi pensado ao pormenor."

Mas para Luís Sequeira o futuro não seria nada feio. Seria bonito e cheio de glamour, como são o casaco vermelho de Elisa e vestido branco que ela usa quando dança apaixonadamente com "o monstro". "Eu prefiro sempre fazer cada peça de raiz, para que seja exatamente aquilo que eu imagino, em vez de usar peças já feitas", conta o responsável pelos figurinos. "E esse casaco foi feito praticamente ao longo de nove semanas, enquanto estávamos a filmar, foi todo costurado, tinha imensos detalhes."

"Este filme foi feito com muito amor, por todos nós, e mesmo que não tivesse ganho nenhum prémio eu estaria muito feliz por ter participado nele", diz Luís Sequeira. Entre todos os prémios que o filme já ganhou e para o qual esteve nomeado, Luís recorda a cerimónia dos BAFTA, que "foi incrível", e dá um destaque especial ao prémio que recebeu do "Costume Designers Guild Award" (a associação dos figurinistas). "Fazem-se milhares de filmes todos os anos. Ser premiado pelos meus colegas é fantástico", diz. Amanhã vai lá estar, no Dolby Theater, em Los Angeles. É a primeira vez que está numa cerimónia dos Óscares. E aconteça o que acontecer quando se abrir o envelope e o vencedor de melhor guarda-roupa for anunciado, Luís Sequeira já ganhou: "Nunca imaginei isto. Melhor é impossível."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).