Londres, Colónia e Hamburgo censuram um dos maiores da Áustria

Quadros censurados pelo Metro de Londres e outros institutos públicos são o mais recente exemplo de um movimento que tem dado que falar

À primeira vista, parece até um golpe publicitário. A mensagem "Tem 100 anos, mas ainda hoje é demasiado ousada" a cortar a pintura onde ela é mais contundente. No entanto, a intenção de censurar é real. Por ocasião do centenário do modernismo austríaco, reproduções de algumas das obras de Egon Schiele, um dos maiores pintores austríacos, foram afixadas em estações de Metro de cidades europeias. E pelo menos três delas consideraram que não podia exibi-las como são: Londres, Hamburgo e Colónia.

Em causa estão quatro reproduções, incluindo "Autorretrato nu" e "A rapariga nua de meias laranja", que o Turismo de Viena escolheu para divulgar o centenário do modernismo, e nomes como Schiele e Gustav Klimt, e o Metro londrino e as cidades de Hamburgo e Colónia consideraram demasiado ousados para serem afixadas na íntegra, por mostrarem órgãos genitais. O Turismo de Viena insistiu com uma campanha publicitária provocadora.

Em 1900, o próprio Egon Schiele chegou a ser preso por atentado ao pudor, uma vez descobertos os seus quadros de corpos nus e órgãos sexuais explicitamente revelados. Cem anos passados sobre a sua morte, volta a ser censurado. É o mais recente episódio num movimento que pretende impor critérios moralizantes à arte e que já levou à contestação de vários quadros em exibição em museus e pelo menos uma petição para retirar uma obra de Balthus do MET.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.