Londres, Colónia e Hamburgo censuram um dos maiores da Áustria

Quadros censurados pelo Metro de Londres e outros institutos públicos são o mais recente exemplo de um movimento que tem dado que falar

À primeira vista, parece até um golpe publicitário. A mensagem "Tem 100 anos, mas ainda hoje é demasiado ousada" a cortar a pintura onde ela é mais contundente. No entanto, a intenção de censurar é real. Por ocasião do centenário do modernismo austríaco, reproduções de algumas das obras de Egon Schiele, um dos maiores pintores austríacos, foram afixadas em estações de Metro de cidades europeias. E pelo menos três delas consideraram que não podia exibi-las como são: Londres, Hamburgo e Colónia.

Em causa estão quatro reproduções, incluindo "Autorretrato nu" e "A rapariga nua de meias laranja", que o Turismo de Viena escolheu para divulgar o centenário do modernismo, e nomes como Schiele e Gustav Klimt, e o Metro londrino e as cidades de Hamburgo e Colónia consideraram demasiado ousados para serem afixadas na íntegra, por mostrarem órgãos genitais. O Turismo de Viena insistiu com uma campanha publicitária provocadora.

Em 1900, o próprio Egon Schiele chegou a ser preso por atentado ao pudor, uma vez descobertos os seus quadros de corpos nus e órgãos sexuais explicitamente revelados. Cem anos passados sobre a sua morte, volta a ser censurado. É o mais recente episódio num movimento que pretende impor critérios moralizantes à arte e que já levou à contestação de vários quadros em exibição em museus e pelo menos uma petição para retirar uma obra de Balthus do MET.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."