Lobo Antunes: "O assunto Nobel não me interessa"

O anúncio da não atribuição do Prémio Nobel da Literatura este ano em pouco surpreendeu o escritor António Lobo Antunes, que publicamente já considerara que alguns dos últimos laureados divergiam do que deveria ser a escolha de autores a premiar.

É em poucas palavras que António Lobo Antunes reage à não atribuição do Nobel da Literatura como costuma ser hábito todos os anos desde o início do século passado em outubro: "O assunto Nobel não me interessa."

O escritor e principal nome das letras em língua portuguesa a ser repetidamente apontado como estando na short-list dos candidatos ao maior prémio da literatura mundial não quis alongar-se na sua reação ao DN, preferindo preocupar-se mais com as suas próximas deslocações a Praga, Bucareste e ao México.

Nesta última, para celebrar os dez anos da entrega do Prémio Juan Rulfo e a liderar uma comitiva de 50 autores nacionais na Feira do Livro da capital mexicana. Quanto a Bucareste, onde receberá sob o estatuto de convidado de honra uma distinção inédita a um autor português no Festival de Poesia, o Grande Prémio do Centenário da Reunificação da Roménia, atribuído pelo Museu Nacional da Literatura Romena e a Câmara de Bucareste.

Destaque-se que o prémio que Lobo Antunes receberá decorre do acontecimento histórico da reunificação do país, que ocorreu em 1 de dezembro de 1918, sendo por isso mais importante a sua escolha devido ao facto de ser entregue a um autor estrangeiro na celebração de uma importante data nacional. O evento realiza-se na Grande Biblioteca Universitária Carol I e nele participam o ministro da Cultura e da Identidade Nacional, Ivascu George Vladimir, o autarca de Bucareste, Sorin Oprescu, o poeta Dinu Flamand e o diretor do Museu Nacional de Literatura Romena, Ioan Cristescu.

Quanto ao Nobel, sabe-se por declarações públicas e entrevistas dos últimos anos que António Lobo Antunes não tem visto como boa a escolha de alguns dos recentes premiados pela Academia Sueca, mas sobre isso prefere não se pronunciar de momento. Repete: "É um assunto que não me interessa." Para o autor, mais do que homenagens e prémios, interessa-lhe ter tempo para escrever, pois está em plena escrita do novo romance, que fará parte de uma trilogia iniciada com o último romance publicado, Até que as pedras se tornem mais leves que a água.

A confirmação de que o Prémio Nobel da Literatura não irá ser atribuído em 2018, devido aos alegados abusos sexuais e financeiros em que se encontram envolvidos membros da Academia Sueca responsáveis pela seleção do vencedor, foi feita nas últimas horas após uma reunião em que foi considerado que a instituição não podia desempenhar a sua função. Em comunicado, o seu secretário declarou ser "preciso tempo para que a Academia recupere a confiança antes da escolha do próximo laureado". Anders Olsson referiu o prémio respeitante a 2018 será atribuído em 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.