Lobo Antunes elogia obra de Raduan Nassar

A editora Companhia das Letras vai reeditar a obra do mais recente Prémio Camões. Lobo Antunes considera-o um dos "maiores escritores do século XX da literatura de língua portuguesa.

Os leitores que não quiserem esperar o tempo que falta para a reedição da obra do mais recente Prémio Camões, Raduan Nassar, ainda podem encontrar exemplares de A Menina a Caminho (editora Cotovia), O Copo de Cólera e A Lavoura Arcaica (Relógio D"Água) na Feira do Livro de Lisboa. Para os que preferirem as novas edições da Companhia das Letras, a espera não será muita... A editora Clara Capitão anuncia a antecipação deste segundo título já para este mês (estava agendado para julho) e o terceiro antes do fim do ano. Para o primeiro, no entanto, ainda não há data definida. Entretanto, Raduan Nassar já estabeleceu as regras para as capas portuguesas que, esclarece a responsável, serão "sóbrias e sem imagens", mesmo que aceite uma fotografia sua na badana.

As tiragens, que já estavam decididas antes da atribuição do Camões, serão altas para um escritor de grande densidade como é Nassar: "Facilitará a divulgação de uma obra que não é de leitura fácil e que exige uma releitura para se entender as várias camadas do texto. Tem uma característica torrencial, que o torna de difícil captação, até porque inclui tanto o registo coloquial como uma oralidade muito forte." No caso de O Copo de Cólera, a estrutura da obra é fora do comum, como explica Clara Capitão: "Tem sete capítulos com um par de páginas cada e uma única frase. O penúltimo capítulo, é diferente: são cinquenta páginas sucessivas, com uma discussão entre um casal."

Lobo Antunes "satisfeito"

Entre as reações ao anúncio de Raduan Nassar como vencedor do Prémio Camões, também está a de António Lobo Antunes. Ao saber da notícia, o escritor descreve ao DN que sentiu "uma grande alegria" por lhe ter sido atribuído. Para Lobo Antunes, a entrega do Prémio até peca por ser muito tardia: "Já o deveria ter recebido há muitos anos." Quanto ao facto de só ter três livros publicados e estar fora da ribalta literária há duas décadas, esta é uma situação que não incomoda o escritor: "Tem muito talento e é um grande autor." Daí que diga que considere uma realidade a não ser levada em conta na atribuição do maior galardão da literatura de língua portuguesa.

Lobo Antunes faz questão de comparar a breve dimensão da obra de Nassar com a de outro dos grandes escritores que merecem a sua maior admiração: Juan Rulfo. "Lembrei-me logo de Rulfo, que só tem um romance publicado, mas que é das obras mais importantes da literatura mundial na minha opinião. Antes, tinha escrito um livro de histórias mais curtas para aquecer e poder escrever Pedro Páramo, em apenas 120 páginas. E, depois, mais nada", refere.

A concessão do Camões pelo júri, acrescenta, comprova que os seus membros "tiveram em conta a importância de um dos maiores nomes da literatura brasileira". Vai mais longe ao declarar Nassar como "um dos mais importantes escritores do século XX da literatura em língua portuguesa". Por isso, remata, "o júri está de parabéns!" Segundo Lobo Antunes, a obra de Nassar confirma "um grande talento" e foi isso que em tempos percebeu da leitura do seus livros. Considera que ter-se retirado há duas décadas da vida pública "para ir tratar das galinhas" poderia ter criado no autor uma certa repulsa pelo regresso a algum protagonismo: "Felizmente, não recusou o Prémio. Quando soube da atribuição, tive esse receio. Ainda bem que assim não aconteceu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.