Lisboa acolhe uma das votações para os Emmy

O júri vai reunir-se na capital para escolher os vencedores de uma das categorias dos prémios

Lisboa recebe no dia 9 a votação de uma das semi-finais para escolher os candidatos aos Emmy Awards, os prémios de televisão atribuídos anualmente pela Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos.

André Sampaio, membro português da academia desde 2015, explicou hoje à agência Lusa que durante o dia 9 o júri da 44ª edição dos Emmy estará reunido em Lisboa para escolher os vencedores de uma das categorias dos prémios.

O júri estará reunido nos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Lisboa, anfitriã desta votação.

Para André Sampaio, eleito para a Academia depois de ter trabalhado para a TV Globo no Brasil, a realização desta votação em Lisboa significa um reconhecimento internacional, por parte daquele organismo, da qualidade da produção portuguesa.

Descrevendo a votação como "um processo longo", André Sampaio escusou-se a adiantar quem faz parte do júri e qual das categorias é que está em causa nesta semi-final.

A cerimónia de entrega dos prémios está marcada para 21 de novembro em Nova Iorque, altura em que se saberá quem foram eleitos os melhores intérpretes e também os melhores programas de ficção e não ficção, feitos fora dos Estados Unidos.

Em 2010, a produção portuguesa "Meu amor", da Plural Entertainment e emitida pela TVI, venceu o Emmy de melhor telenovela.

No ano seguinte, o Emmy nesta categoria foi atribuído à telenovela "Laços de sangue", uma coprodução da SIC e da TV Globo.

André Sampaio sublinha que nos últimos trinta anos a indústria da ficção registou um crescimento no que toca à qualidade, com os operadores de televisão a apostarem na ficção nacional e a terem bons resultados de audiências.

Apesar da votação do dia 9 ser à porta fechada, a academia e a autarquia farão nesse dia nos Paços do Concelho uma gala comemorativa que juntará vários nomes conhecidos da ficção nacional e representantes das operadoras de televisão.

Nicolau Breyner, que morreu em março passado, um dos nomes de referência da produção de ficção televisiva em Portugal, será homenageado naquela gala.

Fundada em 1969, a Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos é uma organização que está representada por membros de mais de 60 países e de cerca de 500 empresas da indústria televisiva.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.