Lídia Jorge procura quem a desafiou para esta história

"Dama Polaca Voando em Limusine Preta", que está disponível desde sábado, dia 26, surge na sequência de uma experiência vivida pela escritora, que irá a Jerusalém à procura do homem que a desafiou.

Este sábado, dia 26, chega a vez de Lídia Jorge ocupar um lugar na prateleira da Biblioteca Digital do DN. O conto "Dama Polaca Voando em Limusine Preta" fica disponível a partir desse dia, de forma gratuita aqui no site do DN.

Referência da literatura contemporânea portuguesa, Lídia Jorge explica que este conto "trata de uma revelação forte durante uma viagem por parte de uma passageira em relação a quem conduz a limusina que lhe é imposta".

Ela pedira um táxi, mas surge-lhe uma limusina e é a partir "desse desencontro", numa noite gelada, no continente norte-americano, que surge a narrativa de uma história de amor, contada pelo motorista que a conduz.

Uma história que se cruza com o preconceito que ela tem em relação à etnia dele, um israelita, judeu. "Ela julga que ele está a aproveitar-se", conta Lídia Jorge. Mas, com o decorrer da viagem, ela apercebe-se que "debaixo do coração dele existe uma generosidade que ela não julgava possível".

Há cerca de cinco anos que Lídia Jorge estava a marinar esta história, para a qual foi desafiada por um israelita que conheceu em Lisboa. "Esta história tem um fundo de realidade, passou-se praticamente assim", garante. "Ele queixava-se do preconceito que existia no mundo em relação ao povo judeu e disse-me que eu não conseguiria escrever sobre isso", conta ainda a escritora, que agora só tem de encontrar esse israelita para lhe provar que estava errado.

"Na altura do carnaval vou à Feira do Livro de Jerusalém e vou bater a todas as portas para o encontrar", conta. Parece difícil, mas a escritora tem a certeza de que vai sair-se bem nessa missão. E, sobretudo, "feliz" por ter escrito o conto.

"Fui ao encontro de uma noite extraordinária da minha vida. Tive todas as suspeitas sobre uma pessoa, julguei que se tratava de um criminoso, e, no final, o desfecho foi o oposto. Foi luminoso", remata.

Por isso, espera vir a juntar este conto a outros que já escreveu e que estão dispersos para lançá-los em livro.

Assumindo-se como uma pessoa de romance e não como uma "contista", Lídia Jorge está desejosa de perceber a resposta do público ao seu conto no site do DN. Pessoalmente, a escritora usa a plataforma digital como "montra" para escolher os livros que comprará em papel, mas admite que esta é "uma iniciativa muito interessante", com um painel de escritores que também a entusiasmou bastante.

Além do conto de Lídia Jorge, pode fazer download de muitos outros. Mário Zambujal, Manuel João Vieira, Dulce Maria Cardoso, Mário de Carvalho, Inês Pedrosa ou Rui Zink são alguns dos autores que participaram na iniciativa.

DEPOIS DE SE REGISTAR CLIQUE AQUI PARA FAZER DOWNLOAD DOS CONTOS DIGITAIS DISPONIBILIZADOS PELO DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?