Legado da Rainha das Artes regressa a Serralves com a fotografia em destaque

A segunda parte de uma das importantes coleções de arte da segunda metade do século XX numa visita guiada por António Homem, o comissário da mostra e herdeiro da galerista Ileana Sonnabend. Para ver até 23 de setembro

Adotado aos 48 anos pela famosa galerista Ileana Sonnabend e o marido desta, Michael, com quem passou a vida (dos 29 aos 67 anos), António Homem acabou por herdar metade da coleção de arte do casal, em 2007, quando a denominada Rainha das Artes morreu. Metade do legado, nos Estados Unidos, vai para o Estado, por isso o português e a filha de Ileana, Nina, doaram parte da coleção a uma fundação que funciona um pouco como um museu sem paredes. Entre esses trabalhos e os que herdou, António tem uma coleção que mantém a narrativa do acervo inicial, com uma parte exposta, desde ontem até 23 de setembro, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto.

A inauguração oficial foi à noite mas, horas antes, ainda se colavam placas. António Homem, o comissário da exposição guiou uma visita descrita com o sentimento de quem conhece bem o que se exibe em cada espaço, mas que vai descobrindo sempre outros pontos de vista. Depois da apresentação em 2016 de "A Coleção Sonnabend. Meio Século de Arte Europeia e Americana. Part I", a Invicta recebe a segunda parte de um conjunto de obras que representam "alguma dos movimentos fundamentais da arte ocidental dos nossos dias", como frisou a presidente do Conselho de administração da Fundação de Serralves, Ana Pinho, congratulando-se por as acolher. João Ribas, o diretor do museu, destacou "a contemporaneidade desta produção", notando ainda que "a história desta coleção é a história da arte contemporânea" e uma "narrativa de arte pós-guerra", ou seja, a partir dos anos 50.

Desta vez, o destaque vai para o uso da fotografia, desde a arte conceptual dos anos 1960 até ao presente, a par do trabalho de artistas dos anos 1980 que incide na Pop Art, o minimalismo e a arte concetual. Obras de Gilbert & George, do casal alemão Bernd e Hilla Becher - conhecido pelas tipologias fotográficas de estruturas industriais, John Baldessari, Hiroshi Sugimoto - que usava a fotografia a preto e branco para registar o fluxo do tempo -, Candida Höfer - que, entre muitos interiores de espaços públicos, fotografou o Palácio da Ajuda, em Lisboa, como se pode ver numa das paredes-, Haim Steinbach, Boyd Webb -a registar o telefone como o estribo das relações mercantis numa prova única de fotografia a cores datada de 1979- ou Ashley Bickerton, entre outras.

Com um discurso envolvente, num português toldado pelo sotaque de quem há muito vive nos Estados Unidos e que, às vezes, pede ajuda para traduzir uma palavra em inglês, António Homem assumiu ser "impressionante" ver os trabalhos nos espaços de Serralves, onde a "cumplicidade entre os trabalhos" ganha uma nova vida. O galerista português fala com paixão do que é seu, conquistando quem o rodeia e é isso que o move. "É isto que eu gosto na minha profissão, passar o entusiasmo a outras pessoas".

Apesar de ter visto crescer a coleção e de a conhece minuciosamente, António Homem garantiu que "não é sentimental" aquilo que nutre por ela, comparando a sua ligação à "relação que se tem com uma pessoa em quem, ao longo do tempo, vamos descobrindo coisas boas e outras menos boas". Ou seja, "há sempre oportunidade de releitura destas peças e o facto de as ver reagrupadas de outra forma, em espaços diferentes, cada vez dá-me mais informação sobre as obras", comentou, notando que "esta sala com estas obras é uma situação excecional". Referia-se ao piso inferior do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, onde paredes de vidro estendem a vista também para a beleza exterior.

Apreciadas as fotografias no primeiro piso, as escadas levaram ao regresso da pintura e da escultura, com a "pequena retrospetiva" de Jeff Koons no centro das atenções. Entre o núcleo de esculturas criados pelo controverso artista norte-americano, salta a insuflável Hulk (Friends) em bronze policromo. Estratégico ou não, está em frente à entrada para uma sala onde se pode ver uma mega fotografia explicitamente sexual (avisos prévios acautelam os visitantes) da série "Made In Heaven", as fotos que Koons protagoniza com a ex-mulher, a atriz porno Cicciolina.

A COLEÇÃO SONNABEND: MEIO SÉCULO DE ARTE EUROPEIA E AMERICANA. PART II

De hoje até 23 de setembro

Fundação Serralves, Porto

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.