Laurie Anderson dá concerto para cães na Times Square

Famosa artista faz homenagem aos cães socorristas do 11 de Setembro com uma 'performance' criada a pensar nos animais

Apenas quatro dias depois de ter sido o palco da festa da passagem de ano em Nova Iorque, a praça mais famosa de Manhattan, a Times Square, volta esta segunda-feira a receber um evento: um concerto de Laurie Anderson totalmente concebido a pensar no "melhor amigo do homem", o cão.

O evento visa homenagear os cães socorristas que estiveram entre os primeiros a chegar ao Ground Zero dos atentados do 11 de Setembro, bem como sublinhar o amor que a artista tem pelos cães.

Neste sentido, será também projetado o documentário "Heart of a Dog", que Anderson criou e que está na corrida às nomeações para os Óscares.

O concerto será transmitido ao público através de headphones sem fios (sistema conhecido por "silent disco" que permite criar espetáculos ou concertos em que os espectadores ouvem o som exclusivamente através de auscultadores, evitando assim o ruído ambiente). Mas também haverá colunas de som com o volume baixo e colocadas junto ao chão para que - adivinhou - os cães possam ouvir a performance.

Este evento insere-se na série de atividades artísticas que Nova Iorque realiza todos os meses próximo da meia-noite de um determinado dia. O Midnight Moment é uma criação da Times Square Arts e visa dar (ainda) mais vida à "cidade que nunca dorme".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.