Lágrimas doces e amargas no verão

VIVER DEPOIS DE TI, Thea Sharrock

Se é de fazer chorar as pedrinhas da calçada? Sem dúvida. E também não escapa aos lugares comuns do romance que envolve grandes adversidades, como a doença. No entanto, é difícil resistir ao magnetismo dos atores que lideram este Viver Depois de Ti - Emilia Clarke (A Guerra dos Tronos) e Sam Claffin (The Hunger Games) - adaptado do bestseller de Jojo Moyes, pela própria.

Sem estes protagonistas, ainda que não amplamente experimentados no grande ecrã, a primeira longa-metragem da veterana do teatro Thea Sharrock não teria o feitiço elementar de uma história de Cinderela: percebe-se cedo que a humilde Lou (Clarke), como nova cuidadora do aristocrata e jovem paraplégico Will (Claffin), sustenta uma ternura inabalável, com laivos de Audrey Hepburn...

Em pequenos passos, que começam a progredir depois de se esbater a amargura estoica de Will, estes dois vão-se aproximando numa subtil intimidade reforçada pela câmara. E ainda que se sinta a manipulação emocional - porque é um filme que lida com a sombra da morte face ao amor - há uma sinceridade que afasta as reservas maiores.

Classificação: ** Com interesse

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.