Lady Gaga cancela digressão e garante que não se está a fazer de vítima

A cantora revelou recentemente que sofre de fibromialgia

Lady Gaga cancelou a parte europeu da digressão mundial devido às fortes dores provocadas pela fibromialgia, doença de que padece, segundo admitiu recentemente. De acordo com o comunicado, a cantora sofre de dores intensas que a impedem de atuar.

A digressão europeia deveria começar a 21 de setembro, em Barcelona, Espanha, e prolongar-se até 28 de outubro, em Koln, na Alemanha, sem passagem por Portugal.

A cantora pediu desculpa aos fãs e garantiu que não se está a vitimizar. "Uso a palavra 'sofrer' não para terem pena ou darem-me atenção, e estou desiludida por por ver pessoas a sugerirem que estou a ser dramática, a inventar isto, ou a fazer-me de vítima para não fazer a digressão", escreveu Lady Gaga no Instagram.

"Sou uma lutadora. Uso a palavra 'sofrer' não apenas porque a dor crónica mudou a minha vida, mas também porque me impede de viver a minha vida normalmente. E também me está a afastar daquilo que mais gosto no mundo: atuar para os meus fãs", acrescentou.

Lady Gaga explicou que agora precisa de estar em contacto com os médicos de forma a estar forte e "poder atuar nos próximos 60 anos ou mais"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".