Lá bem alto, no fim das coisas

Eldorado XXI, Salomé Lamas

A urgência de integridade do cinema de Salomé Lamas é uma coisa muito pura por muito pensada que seja. A artista multidisciplinar faz um cinema de exploração humana e estética. Uma aventureira que desta feita leva-nos para Rinconada, mina a céu aberto na montanha mais fria, perigosa e alta do Perú. Uma terra de ninguém que desafia os limites da humanidade. E lá encontramos corpos que parecem zombies, gente que não abre a boca e que sofre para dentro. É coisa muito perto da morte (a experiência de lá filmar chegou a deixar Lamas doente), embora seja um filme com vida.


Eldorado XXI às vezes parece um pouco deslumbrado com a desolação, é verdade, mas será sempre um documentário para ouvir, como uma instalação sonora. Fica-se até com a ideia que deveria antes ser visto numa galeria, mas essa é uma outra discussão. O certo é que a cineasta tocou o fim do mundo, o fim da humanidade.


Classificação: *** bom

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub