"Lá, as pessoas chamam-te 'patrão', só porque és branco..."

Hugo Vieira da Silva adaptou um conto de Joseph Conrad ao contexto do colonialismo português, no século XIX. O DN falou com Nuno Lopes e Ivo Alexandre, uma dupla que se perde no delírio espiritual da floresta africana

Posto Avançado do Progresso é um filme com traços de alguma alucinação, e mesmo sugestão onírica. Este efeito foi produzido, em grande parte, pela própria atmosfera local, ou foi uma intenção objetiva e formal do realizador?

Nuno Lopes (N.L.) - Essa dimensão onírica foi um efeito que o Hugo [Vieira da Silva] quis imprimir - já vinha do texto do Conrad - e que aumenta pelo facto de ele ter acrescentado à narrativa as visitas dos fantasmas da história da relação de Portugal com o Congo.

Ivo Alexandre (I.A) - Há uma presença concreta desse lado místico, até porque estávamos num terreno que é muito ligado aos cultos - foi lá que nasceu o voodoo, por exemplo. Nós no próprio local sentíamos isso, porque as pessoas ali têm crenças mesmo muito intensas, o que jogou em benefício de se provocar essa impressão no espetador.

Pegando na expressão de outro título de Conrad, sentiam-se mesmo no "coração das trevas"?

N.L. - Eu já tinha algumas referências de floresta tropical, porque estive um mês na Amazónia, mas não deixei de renovar um sentimento: o de estar num sítio que não tem dono. Nós aqui vivemos numa espécie de lego, o chão que pisamos tem dono, mas lá és tu o dono e ao mesmo tempo não és. Isso é uma sensação muitíssimo forte.

I.A. - Era inevitável que nos sentíssemos realmente frágeis, é instintivo, porque não temos praticamente defesas. O simples facto de tomarmos banho no rio tem uma imensidão de perigos: os hipopótamos, os crocodilos, as cobras... Portanto, o perigo é real. Particularmente, na zona onde estávamos, tínhamos desde a Black Mamba a cobras que matavam em cinco minutos, e aranhas que matavam em dois... A selva africana é avassaladora, e ao contrário da imagem que nos passam alguns filmes, de espaços enormes, há um aspeto também claustrofóbico. Penso que isso está muito bem retratado no filme. É realmente o coração das trevas.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.