"Knightfall": com os Templários a lutar pela Terra Santa

Série inglesa "Knightfall" ocupa a partir de hoje os serões de domingo no canal TV Séries. O historiador Dan Jones explica como a série mostra a decadência da Ordem dos Templários

No século XIII, a Terra Santa era disputada por cristãos e muçulmanos, com espadas e catapultas. No primeiros minutos do primeiro episódio de Knightfall - Templários somos lançados no meio da batalha de Acre (atual Israel), em 1291, ao lado dos cavaleiros Templários numa luta não só pela terra mas acima de tudo para salvar o Cálice Sagrado. A derrota leva os Cruzados a abandonarem Acre de barco e vamos reencontrá-los, 15 anos depois, em Paris (França), longe dos campos de batalha e mais preocupados com as finanças da Ordem dos Templários do que com a sua missão original: proteger o caminho dos peregrinos.

Knightfall, que hoje se estreia no canal TV Séries, às 21.15, tem como protagonista Landry (interpretação de Tom Cullen), líder dos Templários , homem corajoso e de bom coração (embora com algumas dificuldades em cumprir o voto de castidade). Landry assume a liderança precisamente no momento em que os Templários já estão em decadência . E caminham para o fim. Na sexta-feira, 13 de outubro de 1307, todos os Templários da França foram presos por ordem do rei Filipe IV (aqui interpretado por Ed Stoppard). Por sua influência, o Papa Clemente V (interpretação de Jim Carter) acaba por interpor uma série de processos judiciais contra os Templários em toda a Europa, numa perseguição que termina com a dissolução da ordem e do seu último grande mestre, Jacques de Molay, queimado em 1314.

E por aqui andamos nos dez episódios de Templários. A série baseia-se em factos reais, mas o historiador Dan Jones, responsável por toda a investigação da produção, explica que "é melhor pensar em Knightfall como uma fusão da história real, da lenda dos Templários e de um novo corpo de mitologia que os escritores brilhantes têm produzido em camadas em torno dela". Numa entrevista por e-mail ao DN, Dan Jones esclarece que "Knightfall apresenta personagens reais e personagens de ficção que interagem numa visão do Médio Oriente e da França que foi projetada com atenção minuciosa aos detalhes históricos. Claro que é um drama histórico - e o drama importa tanto quanto a história. O mais importante é que é divertido!"

Um dos aspetos inovadores desta série, diz o historiador, é que "trata em pormenor um pouco da história dos Templários que geralmente é ignorada: o fim. Isso é bastante ousado, porque, claro, todos os outros projetos de Hollywood hoje parecem ser uma história de origem de um tipo ou outro". Já "Knightfall mostra-nos homens perseguindo um sonho que sabemos que acabou, mas todos estão cheios de esperança e esforço. Nesse sentido, é uma tragédia. E, como todas as tragédias, aproxima-se das lutas pessoais das suas personagens. Isso é algo bastante novo para os Templários também. Normalmente vemo-los em filmes e jogos de computador como agentes sem rosto de uma organização sinistra. Aqui são pessoas reais". Há momentos em que os criadores levam a câmara para dentro dos capacetes dos Templários, para que possamos colocar-nos na sua pele.

Num momento em que também está em exibição a série Vikings (inspirada neste povo da Escandinávia na Idade Média) e em que se aguarda a estreia de Britannia (sobre a conquista das ilhas britânicas pelos Celtas, ainda antes de Cristo), num momento em que as imagens de guerra de O Senhor dos Anéis ou de Game of Thrones (cuja ação se passa num "tempo antigo" indefinido) povoam a nossa imaginação, surge Knightfall - Templários, para explorar um pouco mais esse imaginário. A série estreou-se a 6 de dezembro no canal História nos EUA e a recepção crítica tem sido mista. Mas Dan Jones acredita que os espectadores vão ficar envolvidos pela história e por estas imagens de "conflitos e guerras num mundo visualmente atraente, intrinsecamente perigoso, carregado de espiritualidade e crença mística e também despojado da tecnologia militar que fez guerra em massa e mortes sob balas e bombas. É uma forma de escapismo". E, no final, espera que "inspire as pessoas a ler sobre a verdadeira história dos Templários".

Knightfall - Templários

Estreia hoje

TV Séries

Domingos, 21:15

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.