Kirk Douglas. O centenário de um cavalheiro difícil

Foi Van Gogh e Patton no grande ecrã, deu vida a Ulisses e a Spartacus. Nunca ganhou um Óscar mas conquistou o respeito de Hollywood por praticar as suas convicções.

Há dez anos, fazendo passar um sinal exterior de atividade e lucidez, Kirk Douglas utilizou a internet para uma mensagem especial. Onde podia ler-se isto: "O 90.º aniversário é especial. No meu caso particular, é um milagre. Eu sobrevivi à II Guerra Mundial, à queda de um helicóptero, a uma trombose e a dois joelhos novos. Desta vez decidi fazer um brinde ao mundo. Sejamos claros: o mundo está um caos (...) e aqueles que o vão herdar terão de enfrentar muitos problemas: a pobreza abjeta, o aquecimento global, os genocídios, a sida e os bombistas suicidas, para citar apenas alguns. Tudo isto existe, mas o mundo mantém-se silencioso. Nós fizemos muito pouco para resolver estas questões. Agora passamo-los adiante e vocês, os mais novos, vão ser obrigados a tratar do assunto porque a situação é intolerável. Têm de se revoltar, dizer em voz alta o que pensam, escrever, votar e tomar conta das pessoas e do mundo em que vão viver".

Não se sabe se o ator - cuja "boa forma" foi há dias confirmada pelo filho mais velho, o também ator e produtor Michael Douglas - vai insistir nos recados. Se o fizer, o teor das recomendações não poderá ser essencialmente diferente - poderá, quando muito, acrescentar o problema Trump, com que talvez Kirk, um democrata de sempre, talvez não contasse. É um dos efeitos secundários ligados à espantosa longevidade deste filho de um casal de russos, Jacob e Bryna, chegado aos Estados Unidos em 1912, que soube "mudar" o nome de Issur Danielovich para Kirk Douglas, à custa de trabalho e talento: ele já viu de tudo e nunca se calou. Em 2013, ainda fazia apelo público para a necessidade de mais controle das armas nos EUA.

A carreira começou há precisamente 70 anos (1946), quando depois de uma insistência da sua amiga Lauren Bacall, o homem que serviu na Marinha norte-americana na II Guerra Mundial, se estreou no filme O Estranho Amor de Martha Ivers. Conhecido pelo seu feitio difícil, pouco predisposto a cedências (basta referir o que se passou antes das filmagens do primeiro Rambo, em que a personagem de Stallone devia, de acordo com o livro, morrer às suas mãos, e Douglas se afastou quando os produtores se decidiram pela sobrevivência do "herói" para poderem prolongar a saga), Kirk Douglas participou em 73 longas-metragens, a que se soma dúzia e meia de colaborações na TV, em séries ou filmes. Ainda assim, foram poucos os realizadores que repetiram a experiência de o convocar para os seus elencos: Joseph L. Mankiwicz (com 21 anos de intervalo entre Carta a Três Mulheres e O Réptil, Vincente Minnelli, com quem fez três filmes, Richard Fleischer, John Sturges, Stanley Kubrick, numa relação que cruzava respeito profissional com um profundo ódio pessoal, Brian De Palma e, numa fase já avançada, Jeff Kanew.

No entanto, Douglas espalhou o seu currículo por mãos sábias, figurando entre os notáveis que dirigiram os nomes de Jacques Tourneur, Mark Robson, Michael Curtiz, Raoul Walsh, Billy Wilder, William Wyler, Howard Hawks, Edward Dmytryk, Anatole Litvak, Henry Hathaway, King Vidor, Robert Aldrich, John Huston, John Frankenheimer, Otto Preminger, Anthony Mann, René Clement, Martin Ritt, Stanley Donen e até George Miller (inventor de Mad Max). Tivesse havido um John Ford pelo meio e, face a uma época e a um segmento dominante, estaríamos perante o percurso sem faltas.

Sem Óscar mas com medalha

Nomeado por três vezes na corrida ao Óscar de melhor ator - por O Grande Ídolo, Cativos do Mal e A Vida Apaixonante de Van Gogh, filmes lançados entre 1949 e 1956 -, Douglas reconheceria que os seus piores momentos na gestão do percurso terão coincidido com as recusas dos papéis entregues a William Holden em Inferno na Terra e a Lee Marvin em A Mulher Felina, ambos passaportes para a desejada estatueta atribuída pela Academia. Não deixou, ainda assim, de receber algumas recompensas, com destaque para a Presidential Medal of Freedom (a mais alta distinção norte-americana para um civil), que lhe foi atribuída pelo presidente Jimmy Carter. Há uma outra "distinção" de que muito se orgulha: a da sua contribuição para furar a "lista negra" que a "caça às bruxas" do senador McCarthy estendeu sobre Hollywood. Na verdade, não só Douglas fez finca-pé na presença do proscrito Donald Trumbo entre os argumentistas de Spartacus, o épico que ditou a incompatibilidade irresolúvel entre Kirk e Kubrick, como exigiu que o principal autor do guião aparecesse na ficha com o nome verdadeiro.

Em 2013, ainda fazia apelo ao controle das armas nos EUA

Kirk Douglas andou "fardado" grande parte do tempo que passou nos cenários de filmagem: fosse com as vestimentas de um cowboy (como as de Duelo de Fogo, em que vestiu a pele de Doc Holiday, ou as de O Último Comboio de Gun Hill) ou com o uniforme de outras guerras (casos de Horizontes de Glória, A Primeira Vitória ou Paris já Está a Arder?, entre muitos outros). Mesmo sem as pistolas ou as metralhadoras, parecia indisponível para parar de lutar, assumindo por norma personagens maquiavélicas ou, no mínimo, perturbadas. Quem vê não esquece o seu olhar feroz e a sua voz cortante. Quanto ao feitio, não deixou de se explicar: "A virtude não é fotogénica. O que é ser um gajo porreiro? Nada de nada. É ser um enorme zero, com um sorriso para toda a gente. E eu fiz a minha carreira a representar filhos da mãe." Filmou lado a lado com Burt Lancaster por sete vezes, mas não eram amigos - respeitavam-se apenas. Como se depreende do desabafo, depois da rodagem de Os Duros (1986): "Livrei-me finalmente do Burt Lancaster. A minha sorte mudou para melhor. Agora, tenho miúdas mais giras nos meus filmes..."

Douglas é casado pela segunda vez, e o segundo matrimónio dura há 62 anos e meio. Tem quatro filhos, que nunca desamparou. A Michael, o mais velho, ajudou imenso, com destaque para a oferta dos direitos de Voando sobre Um Ninho de Cucos, peça que o próprio Kirk representou na Broadway, em 1963. Esse presente permitiu a Michael Douglas começar o seu trajeto de produtor com cinco Óscares na bagagem. Retenha-se esta ideia do decano dos Douglas: "Eu tive uma enorme vantagem sobre os meus filhos - nasci no meio da pobreza total." Talvez tenha razão, o velho patriarca, duro nas salas de cinema, convicto na vida.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.