Kendrick Lamar. E toda a gente cantou e dançou como se não houvesse amanhã

De La Soul passaram o testemunho ao californiano para um concerto memorável na história do Super Bock Super Rock. Com casa cheia

Desde muito cedo se percebeu que esta ia ser uma noite especial, histórica mesmo, pelas longas filas que desde o início da tarde de sábado se começaram a acumular à entrada do recinto do Super Bock Super Rock, no Parque das Nações, em Lisboa.

Poucos esperavam era o que horas mais tarde viria a acontecer no interior do Meo Arena, primeiro com os De La Soul, o trio nova-iorquino que desbravou novos caminhos para o hip-hop com álbuns como 3 Feet High and Rising, De La Soul Is Dead ou Stakes Is High, quando muita desta gente que ali os celebrava ainda nem era nascida. Mas a velha escola de um DJ e dois MC ainda dá cartas e joga com todos os trunfos na mão.

Por momentos, o imenso pavilhão mais parece um pequeno clube, onde todos se miram olhos nos olhos em volta das palavras e do ritmo debitados em palco por Posdnuos, Dave e Maseo, que em seguida transformam o recinto numa imensa pista de dança, ao som de clássicos como A Roller Skating Jam Named 'Saturdays', Me, Myself and I ou Feel Good Inc., o tema assinado a meias com os Gorillaz - este sim, já mais familiar das novas gerações que quase lotava o Meo Arena.

Foi quase uma passagem de testemunho, pois sem os De La Soul o que viria a seguir poderia até nunca ter existido. Mas isso são meras conjeturas, porque a verdade é que Kendrick Lamar é apenas o que é. Não é o futuro da música, mas o presente. Esqueçam-se os rótulos, as fronteiras estéticas e estilísticas e oiça-se apenas a música. Se com To Pimp a Butterfly, o álbum da consagração, de 2015, já havia sido elevado ao Olimpo, assistir hoje a um espetáculo do rapper norte-americano é também como entrar em território divino.

Acompanhado de uma banda de virtuosos, que ora oscilava entre as sonoridades mais experimentais do free jazz, a doçura da soul ou a ginga do funk, Kendrick Lamar não fez a coisa por menos e protagonizou uma das noites mais memoráveis da já longa história do Super Rock. "Look both ways before you cross my mind", estava escrito no palco, numa citação do mestre George Clinton, o mentor do P-Funk, cuja frase resume na perfeição o que esta noite ali se passou, tantos foram os caminhos trilhados por Kendrick Lamar, muito, muito para além do hip-hop. E toda a gente cantou e dançou como se não houvesse amanhã.

"Este é um mundo estranho, vamos celebrar a vida", anunciou, qual messias, que também se comove, ficando longos minutos em silêncio (de lágrimas nos olhos?) a fitar a multidão que o aclamava e que, à falta de melhor, entoou o cântico a Éder, o tal que os "lixou" - momentos antes de subir ao palco, não foi Éder, mas Renato Sanches que conheceu nos camarins, ao que consta a pedido do próprio artista norte-americano. "That's love", sussurra para o microfone. E é mesmo. "I Love Myself", canta Kendrick em I e toda esta gente responde em coro, amando-o também a ele, como só acontece com artistas assim...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.