Júri dá razão a Led Zeppelin: não houve plágio em "Stairway to Heaven"

Em causa está a semelhança do início daquela canção com Taurus, canção dos Spirit, banda dos anos 60 com que os Led Zeppelin chegaram a tocar

O guitarrista Jimmy Page e o vocalista Robert Plant venceram esta quinta-feira o processo que muitos avisaram que poderia pôr em causa a credibilidade dos Led Zeppelin.

O júri deu-lhes razão no tribunal de Los Angeles onde há seis dias decorria o julgamento do caso - com a presença dos músicos - em que a banda era acusada de ter plagiado o início da sua icónica canção Stairway to Heaven, composta em 1971 para o seu quarto álbum (sem título).

Em causa está a semelhança dos primeiros acordes da canção dos Led Zeppelin com Taurus, canção dos Spirit, uma banda dos anos 60, que em 1969 chegaram a tocar com a banda de Page, hoje com 72 anos, e Plant, com 67.

O processo teve início em 2014 e foi levado a cabo pelos representantes de Randy California - Randy Wolfe -, guitarrista dos Spirit e compositor da canção em causa, que morreu afogado em 1997.

Os seus representantes afirmam que Page chegou mesmo a pedir a California que lhe ensinasse os acordes de Taurus. O próprio músico dos Spirit reclamou a autoria daquele início da canção dos Led Zeppelin em 1997, numa entrevista a uma revista.

O procurador Francis Malofiy afirmou estar "triste e desapontado" com a decisão do júri e descreveu este processo como uma batalha entre David e Golias, que Golias venceu, contava esta quinta-feira o jornal britânico Guardian.

Já o advogado dos Led Zeppelin, Peter Anderson, descreveu o caso como uma tentativa de reescrever a história, de "agarrar numa canção icónica... e [dizer] que tem um novo pai".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.