Juliette Binoche e Jessica Chastain criam produtora feminista

We Do It Together é a "organização sem fins lucrativos" que quer mudar a representação das mulheres no cinema e na televisão. O primeiro filme será exibido em maio, no Festival de Cannes

O objetivo é contrabalançar e propor uma alternativa à representação da mulher nos trabalhos de realização no mundo do cinema e da televisão e na forma como neles é retratada. Foi para isso que se juntaram atrizes como Jessica Chastain, Juliette Binoche, Freida Pinto (Slumdog Millionaire), a também rapper Queen Latifah, ou realizadoras como Amma Asante (Belle) e Katia Lund (co-realizadora da Cidade de Deus).

Estas e outras mulheres fundaram na semana passada a produtora We Do It Together, uma "organização sem fins lucrativos" que vai financiar e produzir filmes, documentários e produtos de televisão assinados por mulheres.

O projeto feminista começará por produzir "seis filmes de 15 minutos, com realizadoras e atrizes", afirmou no último domingo Binoche à estação France Info. Mas será preciso esperar pelo Festival de Cinema de Cannes - entre 11 e 22 de maio - para ver exibido o primeiro filme da produtora, contudo, sabe-se que o financiamento virá quer de governos vários, quer de patrocinadores coletivos ou donativos individuais. A ideia, explica o site Deadline, é que a produtora se torne depois auto-suficiente.

A We Do It Together surge depois da publicação dos resultados de um inquérito levado a cabo pela Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego americana, que entrevistou dezenas de realizadoras acerca da discriminação no mundo do cinema e da televisão.

Os resultados dizem que as mulheres recebem atualmente 16% do trabalho na realização em séries para a televisão e, no que diz respeito aos filmes dos grandes estúdios, assumem a realização em menos de 5% destes.

Recentemente, a Universidade da Califórnia do Sul publicou um estudo que mostra que, dos 414 filmes analisados, apenas um terço das personagens são mulheres e apenas 28% destas pertencem a minorias étnicas. 74% das personagens são homens com mais de 40 anos.

As mulheres, diz ainda o mesmo estudo, citado pela revista francesa Les Inrockuptibles, representam 15% dos realizadores.

Na direção da produtora encontram-se, além das já mencionadas, figuras como a realizadora Haifaa Al Mansour (O Sonho de Wadjda), o realizador palestiniano Hany Abu-Assad, o crítico Henry Louis Gates, ou as atrizes Marielle Heller e Alysia Reiner

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.