Juliette Binoche e Jessica Chastain criam produtora feminista

We Do It Together é a "organização sem fins lucrativos" que quer mudar a representação das mulheres no cinema e na televisão. O primeiro filme será exibido em maio, no Festival de Cannes

O objetivo é contrabalançar e propor uma alternativa à representação da mulher nos trabalhos de realização no mundo do cinema e da televisão e na forma como neles é retratada. Foi para isso que se juntaram atrizes como Jessica Chastain, Juliette Binoche, Freida Pinto (Slumdog Millionaire), a também rapper Queen Latifah, ou realizadoras como Amma Asante (Belle) e Katia Lund (co-realizadora da Cidade de Deus).

Estas e outras mulheres fundaram na semana passada a produtora We Do It Together, uma "organização sem fins lucrativos" que vai financiar e produzir filmes, documentários e produtos de televisão assinados por mulheres.

O projeto feminista começará por produzir "seis filmes de 15 minutos, com realizadoras e atrizes", afirmou no último domingo Binoche à estação France Info. Mas será preciso esperar pelo Festival de Cinema de Cannes - entre 11 e 22 de maio - para ver exibido o primeiro filme da produtora, contudo, sabe-se que o financiamento virá quer de governos vários, quer de patrocinadores coletivos ou donativos individuais. A ideia, explica o site Deadline, é que a produtora se torne depois auto-suficiente.

A We Do It Together surge depois da publicação dos resultados de um inquérito levado a cabo pela Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego americana, que entrevistou dezenas de realizadoras acerca da discriminação no mundo do cinema e da televisão.

Os resultados dizem que as mulheres recebem atualmente 16% do trabalho na realização em séries para a televisão e, no que diz respeito aos filmes dos grandes estúdios, assumem a realização em menos de 5% destes.

Recentemente, a Universidade da Califórnia do Sul publicou um estudo que mostra que, dos 414 filmes analisados, apenas um terço das personagens são mulheres e apenas 28% destas pertencem a minorias étnicas. 74% das personagens são homens com mais de 40 anos.

As mulheres, diz ainda o mesmo estudo, citado pela revista francesa Les Inrockuptibles, representam 15% dos realizadores.

Na direção da produtora encontram-se, além das já mencionadas, figuras como a realizadora Haifaa Al Mansour (O Sonho de Wadjda), o realizador palestiniano Hany Abu-Assad, o crítico Henry Louis Gates, ou as atrizes Marielle Heller e Alysia Reiner

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.