Jovens bailarinos portugueses participam no concurso Youth American Grand Prix

O concurso, que se realizará em Nova Iorque, é considerado como a maior competição de escolas a nível mundial e contará com a presença de cerca de 600 alunos de dezenas de países

Treze jovens bailarinos de duas academias do Porto e uma de Leiria participam a partir de sexta-feira no concurso Youth America Grand Prix (YAGP), em Nova Iorque, Estados Unidos, considerado como a maior competição de escolas a nível mundial.

Com idades compreendidas entre os nove e os 16 anos, os 13 bailarinos portugueses querem mostrar o que valem neste concurso que tem como "missão apoiar e desenvolver dançarinos" de idades entre os nove e os 19 de "todas as origens étnicas, económicas e sociais".

A Escola Domus Dança, no Porto, leva a Nova Iorque Diogo Oliveira e Maria Martins, de 16 anos, e Frederico Loureiro, de 14 anos, três bailarinos que trabalham diariamente cerca de "cinco, seis horas", disse hoje à Lusa Alexandre Oliveira, codiretor da academia.

Mais do que ver este concurso como "uma competição desportiva", a Domus Dança vê esta participação como uma oportunidade de "encontrar saídas de formação ou de trabalho para os alunos", que vão competir nos escalões sénior e júnior, frisou Alexandre Oliveira.

"Os prémios mais interessantes são esses", disse, "é a possibilidade de saírem de lá com a atribuição de bolsas para irem para instituições de prestígio internacional que lhes garantam futuro".

Já a Academia de Ballet e Dança Annarella, em Leiria, leva a Nova Iorque oito alunos, dos nove aos 14 anos.

Em declarações à Lusa, Annarella, que dirige a escola, afirmou que a média de idades do seu grupo "é baixa", porque sete destes alunos têm idades entre os nove e os 11 anos, apresentando o seu trabalho no escalão pré-competitivo.

Também para Annarella esta competição é encarada como uma oportunidade de "as escolas mostrarem o seu trabalho e de os seus alunos conseguirem bolsas de estudo".

"Para nós, enquanto escola, o objetivo é conseguir abrir portas aos alunos e conseguir que Portugal seja conhecido como país onde há dança", afirmou Annarella.

João Gomes, António Casalinho, Francisco Gomes, Margarida Gonçalves, Sofia Crisóstomo, Laura Viola, Margarita Fernandes e Electra Evangelista são os dançarinos de Leiria presentes nesta competição.

Do Porto para a "grande maçã" partem ainda Ana Teresa Carvalho, com dez anos, e Teresa Borges, 11 anos, bailarinas da Escola de Bailado Espaço Dança, para participar no escalão pré-competitivo.

Jacinta Estima, da Espaço Dança, afirmou à Lusa que esta participação "é importantíssima", sendo visto como "um dos pontos mais altos, uma das competições mais importantes do mundo" para o escalão destas duas alunas, que ainda não têm idade para o Prix de Lausanne (Suíça)", que se destina a bailarinos dos 15 aos 18 anos.

Para alguns destes jovens bailarinos apurados nas semifinais europeias, que decorreram em outubro, em Paris, França, esta participação no concurso de Nova Iorque não será uma estreia, como é o caso de Frederico Loureiro, Diogo Oliveira e Teresa Borges.

Esta 16.ª edição do YAGP contará com a presença de cerca de 600 alunos de dezenas de países, alguns dos quais provenientes de algumas das escolas de ballet mais conceituadas internacionalmente de países como a Coreia, a China, o Brasil, os Estados Unidos, o Japão, a Suíça e a Roménia.

Em cada uma das três categorias -- sénior, júnior e pré-competitivo - serão selecionados os 12 melhores bailarinos masculinos e femininos, sendo que depois são distinguidos os três melhores de cada sexo.

Na competição de grupos serão distinguidos os três melhores, independentemente das idades dos seus elementos.

Em Nova Iorque, os alunos terão ainda aulas com profissionais e/ou diretores de academias como a Paris Opera Ballet e o Royal Ballet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.