Jornalismo romano trama Astérix e os gauleses

Fomos a Paris conhecer a nova história da famosa dupla da Banda Desenhada

A atração por protagonistas reais para conviverem com os loucos da irredutível aldeia gaulesa que faz frente a César vem de longe e Uderzo e Goscinny, os "pais" da mais bem-sucedida banda desenhada de sempre, até pensaram em colocar um clone do presidente norte--americano Richard Nixon nas pranchas de uma das quase três dezenas de álbuns que fizeram juntos. Ontem, na Torre Eiffel, na apresentação mundial do novo álbum, O Papiro de César, Uderzo confessou que ainda bem que não o fizeram: "Teria sido um erro, viu-se como acabou a carreira política dele!"

Os seus seguidores na série Astérix, a dupla Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, argumentista e ilustrador, não seguiram os mesmos passos e na próxima aventura surgirão duas personagens inspiradas em pessoas reais e polémicas. O primeiro caso é de Jacques Séguélla, o Bónus Vendetudos, publicitário famoso em França; o segundo, Julian Assange, o Gerapolemix, provocador conhecido em todo o mundo. Justificam esta novidade por ser necessário inovar ao fim de 34 aventuras da anterior dupla e só por Uderzo. Quando questionado com esta mudança, Uderzo apenas diz que confia neles (ler entrevista à direita) e sabe que os gauleses estão bem entregues. O que parece ser verdade, pois Ferri garante que manteve, por exemplo, César com um perfil simpático porque é assim que os leitores querem. Até porque Uderzo fez questão de revelar um par de episódios em que os leitores criticaram desvios da série.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...