Jodie Foster de muletas "culpa" Meryl Streep

Apresentou o Óscar de Melhor Atriz ao lado de Jennifer Lawrence e protagonizou um dos momentos mais divertidos na 90.ª edição da entrega dos Óscares

As gargalhadas fizeram-se ouvir no Dolby Theatre quando Jodie Foster estava no palco da 90.ª edição dos Óscares. Ao lado de Jennifer Lawrence para apresentar o prémio de Melhor Atriz, a protagonista de Silêncio dos Inocentes surgiu de muletas e "culpou" Meryl Streep.

Ao ser questionada sobre o que lhe aconteceu para aparecer lesionada na cerimónia dos Óscares, Foster decidiu brincar com Streep, uma das nomeadas ao prémio de Melhor Atriz. "Fez-me um Tonya", respondeu, referindo-se ao filme que conta a história de uma patinadora acusada de destruir o joelho da sua principal rival.

A brincadeira continuou. "Ela parece ser sempre muito amável nos almoços...", respondeu Jennifer Lawrence, surpreendida com a revelação. "Olha, está a atuar", argumentou Jodie Foster dirigindo-se a Meryl Streep.

Na realidade, a atriz lesionou-se quando praticava esqui.

Com Jennifer Lawrence, entregou o prémio de Melhor Atriz a Frances McDormand. Inicialmente estava previsto que a apresentação deste Óscar fosse feita pelo ator Casey Affleck, que, após alegações de assédio sexual, decidiu não o fazer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.