João Maia e Sérgio Praia vão fazer filme sobre António Variações

Um filme sobre o falecido músico António Variações, "personagem fascinante" da música portuguesa dos anos 1980, começa a ser rodado em julho pelo realizador João Maia e com o ator Sérgio Praia.

A longa-metragem, intitulada Variações, irá focar-se sobretudo na vida de António Variações entre 1977 e 1981, época em que "um barbeiro queria ser cantor", ensaiava com músicos amadores e gravava tudo em cassetes, muito antes de editar oficialmente qualquer canção.

Arrojado e irreverente, influenciado pelo fado, pela música popular e pelo pop rock, António Variações morreu aos 39 anos, a 13 de junho de 1984. Hoje, passados 34 anos, João Maia fala numa "personagem fascinante e difícil de pesquisar", que marcou a música portuguesa.

O filme é um projeto antigo de João Maia e já esteve envolto em polémica há cerca de dez anos, por divergências com o antigo produtor, Alexandre Valente. O caso chegou a tribunal, que deu razão a João Maia sobre os direitos do argumento.

Agora, João Maia retoma o projeto, com apoio financeiro do Instituto do Cinema e Audiovisual e produção de Fernando Vendrell (David & Golias). A rodagem acontecerá entre julho e agosto com Sérgio Praia no papel de António Variações, à frente de um elenco que integrará também Filipe Duarte, Victoria Guerra, Lúcia Moniz, Diogo Branco e Cristóvão Campos.

A banda sonora está a ser trabalhada pelo músico Armando Teixeira, a partir das cassetes deixadas por António Variações e é certo que terá pelo menos um tema inédito, referiu João Maia.

O realizador recorda que começou a fazer pesquisas em 2002, contactando pessoas que conheceram António Variações, familiares que lhe cederam documentação, e consultando grande parte da imprensa portuguesa da época. Nessa altura ainda não tinha surgido o grupo Humanos, criado para interpretar temas de António Variações descobertos em várias cassetes, nem tinha sido publicada a biografia de Manuela Gonzaga sobre o músico (reeditada neste mês, revista e aumentada).

Sobre o trabalho de pesquisa, João Maia lembrou que "as cassetes de gravações e de ensaios foram muito inspiradoras. São muitas horas, são ensaios com bandas amadoras, são os primeiros arranjos em bruto que ele tinha na cabeça". Variações será um filme sobre o percurso musical de António Variações, sem esquecer o caminho feito entre a aldeia minhota de Fiscal, onde nasceu, e Lisboa, onde morreu, mas João Maia quer que tenha um "lado mais universal", sobre alguém que tinha ambição e marcou uma época.

O filme deverá estrear-se em 2019, ano em que se assinalarão os 35 anos da morte do músico.

Barbeiro de profissão - tinha em Lisboa a barbearia "É pró menino e prá menina". António Variações escreveu canções como Anjo da guarda, Canção do engate, O corpo é que paga e Estou além, mas deixou apenas dois álbuns, editados pouco antes de morrer: Anjo da guarda (1983) e Dar e receber (1984).

A curta discografia aumentou já depois da morte dele, com a divulgação de alguns inéditos, compilações, versões, às quais se juntaram tributos em disco e ao vivo, numa manifestação pública de respeito pela criatividade do artista. É considerado também uma referência para a comunidade LGBT portuguesa.

Em 2016 o realizador Vicente Alves do Ó encenou em Lisboa o monólogo "Variações de António", interpretado pelo ator Sérgio Praia, que voltará agora ao mesmo papel no filme de João Maia. Autor de curtas-metragens e trabalho para televisão, João Maia fará a estreia na longa-metragem com "Variações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.