João Botelho começa "Peregrinação" na segunda-feira

O realizador João Botelho começa na segunda-feira a rodar o filme "Peregrinação", a partir da obra de Fernão Mendes Pinto

O realizador João Botelho inicia na segunda-feira a rodagem em Portugal do filme "Peregrinação", a partir da obra de Fernão Mendes Pinto, e pretende ainda estreá-lo este ano nos cinemas, revelou à Lusa a produtora.

Depois de ter estado no verão passado em filmagens na China, Macau, Japão, Índia, Malásia, Vietname e Indonésia, João Botelho inicia agora a segunda fase de rodagem em Portugal, com o elenco encabeçado por Cláudio da Silva no papel do explorador português do século XVI.

Na nota de intenções, João Botelho descreve "Peregrinação" como "um filme de aventuras, literário e uma epopeia musical", a partir de fragmentos de um "desmedido e louco romance de mil páginas".

Além de Cláudio da Silva, o filme conta ainda com Cassiano Carneiro, Pedro Inês, Catarina Wallenstein, Maya Booth, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares.

Haverá ainda um coro de marinheiros a cantar músicas do álbum "Por este rio acima", de Fausto Bordalo Dias, e pessoas das comunidades chinesa, japonesa e timorense a viverem em Lisboa.

Esta segunda fase da rodagem de "Peregrinação", que se estende até maio, passará por Sintra, Vila do Conde, Carrasqueira, Lisboa, Torres Novas, Tomar e Almada.

A produção é de Alexandre Oliveira e a fotografia de João Ribeiro e Luís Branquinho.

"E ao trazer esta obra máxima da literatura portuguesa para o cinema, acho que cumpro a mais bela das missões: um realizador deve encontrar uma empatia emocional e verdadeira com as muitas pessoas a quem o filme se destina", escreveu João Botelho.

Impresso pelo primeira vez em 1614, "Peregrinação" é ao mesmo tempo um relato da presença dos portugueses no Oriente e uma crónica de viagens de duas décadas de vivência de Fernão Mendes Pinto, naquela parte do globo.

João Botelho já adaptou ou inspirou noutras obras literárias para cinema como "O livro do desassossego", de Fernando Pessoa, "A corte do norte", de Agustina Bessa-Luís, e "Os Maias", de Eça de Queirós.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.