João Botelho começa "Peregrinação" na segunda-feira

O realizador João Botelho começa na segunda-feira a rodar o filme "Peregrinação", a partir da obra de Fernão Mendes Pinto

O realizador João Botelho inicia na segunda-feira a rodagem em Portugal do filme "Peregrinação", a partir da obra de Fernão Mendes Pinto, e pretende ainda estreá-lo este ano nos cinemas, revelou à Lusa a produtora.

Depois de ter estado no verão passado em filmagens na China, Macau, Japão, Índia, Malásia, Vietname e Indonésia, João Botelho inicia agora a segunda fase de rodagem em Portugal, com o elenco encabeçado por Cláudio da Silva no papel do explorador português do século XVI.

Na nota de intenções, João Botelho descreve "Peregrinação" como "um filme de aventuras, literário e uma epopeia musical", a partir de fragmentos de um "desmedido e louco romance de mil páginas".

Além de Cláudio da Silva, o filme conta ainda com Cassiano Carneiro, Pedro Inês, Catarina Wallenstein, Maya Booth, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares.

Haverá ainda um coro de marinheiros a cantar músicas do álbum "Por este rio acima", de Fausto Bordalo Dias, e pessoas das comunidades chinesa, japonesa e timorense a viverem em Lisboa.

Esta segunda fase da rodagem de "Peregrinação", que se estende até maio, passará por Sintra, Vila do Conde, Carrasqueira, Lisboa, Torres Novas, Tomar e Almada.

A produção é de Alexandre Oliveira e a fotografia de João Ribeiro e Luís Branquinho.

"E ao trazer esta obra máxima da literatura portuguesa para o cinema, acho que cumpro a mais bela das missões: um realizador deve encontrar uma empatia emocional e verdadeira com as muitas pessoas a quem o filme se destina", escreveu João Botelho.

Impresso pelo primeira vez em 1614, "Peregrinação" é ao mesmo tempo um relato da presença dos portugueses no Oriente e uma crónica de viagens de duas décadas de vivência de Fernão Mendes Pinto, naquela parte do globo.

João Botelho já adaptou ou inspirou noutras obras literárias para cinema como "O livro do desassossego", de Fernando Pessoa, "A corte do norte", de Agustina Bessa-Luís, e "Os Maias", de Eça de Queirós.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.