Jessie J foi a revelação de uma noite em que se esperava mais de Katy Perry

A exemplo do jogo com Uruguai, o último dia de rock in Rio teve duas partes distintas. Pelo meio, Portugal foi eliminado do mundial

Quando a brasileira Ivete Sangalo se despediu do público, minutos antes do jogo entre Portugal e o Uruguai, ao som de Tempo de Alegria, tudo parecia fazer sentido. Era a banda sonora ideal para a festa que já se antecipava, mas negada pelos dois golos de Cavani. Devido ao futebol, os horários dos concertos foram uns antecipados e outros atrasados. Talvez por isso, o recinto pareceu começar a encher bem mais cedo que nos dias anteriores e quando a cantora baiana subiu ao Palco Mundo para a sua oitava presença no RiR, já se acotovelava uma verdadeira multidão à sua espera no anfiteatro da Belavista. Durante pouco mais de uma hora, todos cantaram e dançaram os êxitos de Ivete Sangalo, que surpreendeu o público ao chamar para palco a compatriota Daniela Mercury, para interpretarem juntas Canto da Cidade, um dos temas mais conhecidos da convidada. No final, ainda desejou boa sorte à seleção e ao "amigo Ronaldo".

Quando a música voltou ao Palco Mundo, o ânimo do público ainda não era o melhor e talvez por isso a atuação da britânica Jessie J teve um arranque morno, mas não demorou muito a aquecer e acabou em total ebulição, ao som do êxito Price Tag. A pop alegre da cantora britânica funcionou como um bom paliativo para a deceção do 2-1, que começava a parecer cada mais distante e nem o facto de Jessie J ter dedicado Nobody's Perfect, à seleção parece ter afrouxado a festa. Tal como a equipa, na Rússia, também a cantora britânica deu tudo o que tinha naquele palco e o público respondeu à altura. Já da cabeça-de cartaz da noite, Katy Perry, o mínimo que se pode dizer é que lhe faltou um bocadinho para transformar um bom concerto em algo memorável - apesar da produção de palco, das dançarinas, dos confetes e das constantes mudanças de roupa. Aconteceu ainda assim a espaços, como na interpretação de Hot and Cold e do primeiro êxito I Kissed a Girl (dedicado ao mês do orgulho LGBT, que se assinalou em junho), mas também com Roar ou especialmente Fireworks, a épica canção com que encerrou o espetáculo, deixando a sensação final que tudo poderia ter sido muito melhor - tal como lá na Rússia...

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.