Jeanne Balibar deste lado do espelho

Crítica a "Barbara", de Mathieu Amalric.

Uma mulher singular à procura da singularidade de outra mulher: é mais ou menos isto que resume Barbara, filme sobre a preparação de um filme, que observa os gestos do cinema e uma atriz que estuda o seu papel.

Jeanne Balibar é Brigitte, a atriz que está a compor a sua personagem da cantora francesa Barbara. E Mathieu Amalric está interessado nesse processo de trabalho, porque quando Balibar (também ela cantora) ensaia as canções da artista é como se extraísse magia das palavras e nos contasse uma história íntima. À luz destas performances deslumbrantes, o filme liberta-se de qualquer convenção do biopic para ser um objeto sedutor e espiritual, quase fantasmagórico Balibar dá-nos Barbara como o mistério dos mistérios, um corpo que se aconchega na música e por ela renasce. Aqui está a estreia mais encantadora deste final de ano.

Classificação: **** Muito Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".