Jeanne Balibar deste lado do espelho

Crítica a "Barbara", de Mathieu Amalric.

Uma mulher singular à procura da singularidade de outra mulher: é mais ou menos isto que resume Barbara, filme sobre a preparação de um filme, que observa os gestos do cinema e uma atriz que estuda o seu papel.

Jeanne Balibar é Brigitte, a atriz que está a compor a sua personagem da cantora francesa Barbara. E Mathieu Amalric está interessado nesse processo de trabalho, porque quando Balibar (também ela cantora) ensaia as canções da artista é como se extraísse magia das palavras e nos contasse uma história íntima. À luz destas performances deslumbrantes, o filme liberta-se de qualquer convenção do biopic para ser um objeto sedutor e espiritual, quase fantasmagórico Balibar dá-nos Barbara como o mistério dos mistérios, um corpo que se aconchega na música e por ela renasce. Aqui está a estreia mais encantadora deste final de ano.

Classificação: **** Muito Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.