Jean-Claude e Katarina, o casal que obrigou a adiar o Nobel da Literatura por um ano

Era um casal conhecido na Suécia, no mundo não. Mas nos últimos seis meses saltou para as páginas de jornais. Jean-Claude Arnault e Katarina Frostenson estão na base do escândalo de suspeita de abuso sexual que interrompe numa rara vez o anúncio de quinta-feira na semana do Nobel. As escolhas polémicas da secretária permanente Sara Danius também criaram instabilidade

A primeira vez que em várias décadas uma dúzia dos mais importantes escritores mundiais vai poder dormir descansada na véspera do anúncio que a Academia Sueca faz sempre em outubro, à quinta-feira pelas 12.00, afinal neste ano não há Prémio Nobel da Literatura.

Foi a decisão final da Academia Sueca no fim de um processo que leva meses e que se deve a "alegados abusos sexuais e financeiros em que se encontram envolvidos membros da Academia Sueca responsáveis pela seleção do vencedor".

O anúncio do vencedor da edição de 2018 será feito no próximo ano, data em que a Academia Sueca escolherá dois escritores em vez de um. Foi esta a decisão divulgada após a mais recente reunião da instituição, baseada na conclusão de que "os escândalos financeiros e os alegados abusos sexuais que envolvem membros da Academia impedem o desempenho da função".

A leitura do comunicado realizou-se ontem de manhã, no seguimento de uma reunião definitiva sobre o caso que tem sido notícia em todo o mundo. Segundo Anders Olsson, secretário da instituição, "concluímos que é preciso tempo para que a Academia recupere a confiança antes da escolha do próximo laureado".

Uma decisão de certo modo inesperada pois este responsável chegou a admitir que tudo faria para que se realizasse o escrutínio habitual que leva à escolha anual de um escritor para o Nobel da Literatura. Tal não foi possível, o que contraria a própria vontade do rei Gustavo, patrono da instituição, que também lutou para manter a rotina do Nobel da Literatura.

Para Anders Olsson, esta decisão pretende respeitar os anteriores galardoados assim como os futuros vencedores do Prémio Nobel da Literatura. Outra das suas preocupações é o respeito para com a "Fundação Nobel e o público em geral".

Uma substituição polémica

A interrupção pela oitava vez da entrega do Nobel da Literatura surgiu após revelações na imprensa sueca sobre o envolvimento do fotógrafo francês Jean-Claude Arnault, que dirige um projeto financiado pela Academia Sueca e que é casado com a poetisa Katarina Frostenson, membro da Academia, num caso de abuso sexual, após denúncia de 18 mulheres. A poetisa foi obrigada a demitir-se. A crise entre os 18 mem-bros da Academia - com mandatos vitalícios - resultou já no abandono de sete dos seus elementos.

Mas a polémica na instituição sueca também tem um outro lado, o da substituição do anterior secretário permanente, Peter Englund, pela historiadora Sara Danius, responsável pelos três últimos prémios Nobel da Literatura, escolhas que levaram a um grande abalo na credibilidade da instituição devido às críticas generalizadas. Tudo começou com a escolha da jornalista Svetlana Alexievich e as suas reportagens literárias, seguindo-se com uma das mais controversas atribuições, a de Bob Dylan, e mais recentemente alguma perturbação com a de Kazuo Ishiguro. Autores que geraram muitas reações e que puseram em causa a liderança de Sara Danius por não corresponderem ao cânone da Academia.

Lobo Antunes desinteressado

É em poucas palavras que António Lobo Antunes reage à não atribuição do Nobel da Literatura como costuma ser hábito todos os anos desde o início do século passado: "O assunto Nobel não me interessa." O escritor e principal nome das letras em língua portuguesa a ser repetidamente apontado como estando na shortlist dos candidatos ao maior prémio da literatura mundial não quis alongar-se na reação ao DN, preferindo ocupar-se com as próximas deslocações a Praga, Bucareste e México.

Nesta última, para celebrar os dez anos da entrega do Prémio Juan Rulfo e a liderar uma comitiva de 50 autores nacionais na Feira do Livro da capital mexicana. Quanto a Bucareste, onde receberá sob o estatuto de convidado de honra uma distinção inédita a um autor português no Festival de Poesia, o Grande Prémio do Centenário da Reunificação da Roménia, atribuído pelo Museu Nacional da Literatura Romena e a Câmara de Bucareste. Destaque-se que o prémio que Lobo Antunes receberá decorre do acontecimento histórico da reunificação do país, que ocorreu a 1 de dezembro de 1918, sendo por isso mais importante a sua escolha devido ao facto de ser entregue a um autor estrangeiro na celebração de uma importante data nacional. O evento realiza-se na Grande Biblioteca Universitária Carol I e nele participam o ministro da Cultura, entre outros.

Quanto ao Nobel, sabe-se por declarações públicas e entrevistas dos últimos anos que António Lobo Antunes não tem visto como boa a escolha de alguns dos recentes premiados com o Nobel, mas sobre isso prefere não se pronunciar. Repete: "É um assunto que não me interessa." O autor, mais do que homenagens e prémios, quer tempo para escrever. Está com novo livro, que fará parte de uma trilogia iniciada com o recente Até Que as Pedras Se Tornem mais Leves Que a Água. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.