Jazz no meio das escadas regressa a Coimbra

Programação do Quebrajazz.Fest aposta na juventude e no valor dos músicos portugueses.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest arranca na sexta-feira com a formação 5TETO e termina no dia 2 de setembro com um conjunto criado para a ocasião, o Quebra Ensamble. Pela qualidade da programação e pela originalidade do local em que se desenrola, o festival ultrapassa cada vez mais os limites de Coimbra.

É nas Escadas do Quebra Costas, em plena zona histórica da cidade, que público e músicos se encontram às sextas e sábados a partir deste fim de semana. "O que ali existe é a magia do espaço. Aquela magia em que, de um momento para o outro, de repente explode. Todos os grupos surpreendem o próprio público que os conhece", explica Paulo Bandeira, programador do evento, que conta a experiência que viveu com o pianista Mário Laginha. "Já conheço o trio dele há anos. Na primeira vez que foi tocar, olhou para as escadas, olhou para as esplanadas, vira-se para o Bernardo Moreira e pergunta: "Onde é que a gente vai tocar?" Respondi e ele, muito preocupado, olhou para o Bernardo, que lhe disse "Espera para ver"." A frase do contrabaixista revelou-se tão acertada quanto concisa: "Quando saímos do jantar, o Mário não queria acreditar, queríamos passar pela multidão e não conseguíamos. Ele estava maluco. Nunca vi o Mário tocar com tanta energia e tão bem-disposto." De tal forma que Laginha voltou nos dois anos seguintes.

Neste ano a programação aponta para a juventude. "Há uma grande aposta nos jovens, cada vez temos mais jovens músicos fabulosos", comenta Paulo Bandeira. O programador que, como baterista, vai marcar presença em quatro formações diversas (5TETO, Zzaj Trio, CBF Trio e Quebra Ensamble) - em parte, explica, por contenção de custos.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest, além da aposta nos valores emergentes, é também o da afirmação dos músicos portugueses, "embora haja músicos portugueses como líderes de grupos com músicos estrangeiros", ressalva. "Temos nível e qualidade mundial em todos os aspetos. Não vamos comprometer a qualidade com esta programação."

Os concertos, de entrada livre, iniciam às 22.30 e têm o seguinte alinhamento: 5TETO (sexta e sábado); Carlos Barretto com o trio Lokomotiv (dia 30) e com o Zzaj Trio (1 de julho); Gonçalo Leonardo Quarteto (7 e 8 de julho); Marta Hugon e o espetáculo Bittersweet (14 e 15 de julho); CBF Trio (21 e 22 de julho); Quinteto Luís Cunha (28 e 29 de julho); Maria João/OGRE (4 e 5 de agosto); Amplectors (11 e 12 de agosto); Círculo (18 e 19 de agosto); Trio João Barradas (25 e 26 de agosto); Quebra Ensamble (1 e 2 de setembro).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.