Jazz no meio das escadas regressa a Coimbra

Programação do Quebrajazz.Fest aposta na juventude e no valor dos músicos portugueses.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest arranca na sexta-feira com a formação 5TETO e termina no dia 2 de setembro com um conjunto criado para a ocasião, o Quebra Ensamble. Pela qualidade da programação e pela originalidade do local em que se desenrola, o festival ultrapassa cada vez mais os limites de Coimbra.

É nas Escadas do Quebra Costas, em plena zona histórica da cidade, que público e músicos se encontram às sextas e sábados a partir deste fim de semana. "O que ali existe é a magia do espaço. Aquela magia em que, de um momento para o outro, de repente explode. Todos os grupos surpreendem o próprio público que os conhece", explica Paulo Bandeira, programador do evento, que conta a experiência que viveu com o pianista Mário Laginha. "Já conheço o trio dele há anos. Na primeira vez que foi tocar, olhou para as escadas, olhou para as esplanadas, vira-se para o Bernardo Moreira e pergunta: "Onde é que a gente vai tocar?" Respondi e ele, muito preocupado, olhou para o Bernardo, que lhe disse "Espera para ver"." A frase do contrabaixista revelou-se tão acertada quanto concisa: "Quando saímos do jantar, o Mário não queria acreditar, queríamos passar pela multidão e não conseguíamos. Ele estava maluco. Nunca vi o Mário tocar com tanta energia e tão bem-disposto." De tal forma que Laginha voltou nos dois anos seguintes.

Neste ano a programação aponta para a juventude. "Há uma grande aposta nos jovens, cada vez temos mais jovens músicos fabulosos", comenta Paulo Bandeira. O programador que, como baterista, vai marcar presença em quatro formações diversas (5TETO, Zzaj Trio, CBF Trio e Quebra Ensamble) - em parte, explica, por contenção de custos.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest, além da aposta nos valores emergentes, é também o da afirmação dos músicos portugueses, "embora haja músicos portugueses como líderes de grupos com músicos estrangeiros", ressalva. "Temos nível e qualidade mundial em todos os aspetos. Não vamos comprometer a qualidade com esta programação."

Os concertos, de entrada livre, iniciam às 22.30 e têm o seguinte alinhamento: 5TETO (sexta e sábado); Carlos Barretto com o trio Lokomotiv (dia 30) e com o Zzaj Trio (1 de julho); Gonçalo Leonardo Quarteto (7 e 8 de julho); Marta Hugon e o espetáculo Bittersweet (14 e 15 de julho); CBF Trio (21 e 22 de julho); Quinteto Luís Cunha (28 e 29 de julho); Maria João/OGRE (4 e 5 de agosto); Amplectors (11 e 12 de agosto); Círculo (18 e 19 de agosto); Trio João Barradas (25 e 26 de agosto); Quebra Ensamble (1 e 2 de setembro).

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."