Jackie Chan vai receber um Óscar honorário

Ator foi distinguido pela Academia norte-americana por ser um um "pioneiro" e uma "lenda" na sua arte

O ator Jackie Chan vai ser distinguido com um Óscar honorário pelos "feitos extraordinários" no cinema, anunciou a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, que decidiu distinguir ainda com a estatueta dourada honorária a editora de imagem britânica Anne V. Coates, o diretor de casting Lynn Stalmaster e o cineasta Frederick Wiseman, célebre pelos documentários realizados.

Segundo a BBC, a presidente da academia norte-americana, Cheryl Boone Isaacs, descreveu os vencedores dos Óscares honorários como "verdadeiros pioneiros e lendas na sua arte".

Todos os contemplados vão receber o Óscar na cerimónia da Comissão de Governadores da Academia, a realizar-se no próximo dia 12 de novembro.

Jackie Chan, de 62 anos, protagonizou dezenas de filmes de artes marciais, não só em Hong Kong, de onde é natural, mas no estrangeiro, tendo atingido sucesso internacional com a trilogia Hora de Ponta, em que contracena com Chris Tucker.

Além da representação - em que se destaca por ser o próprio a fazer as acrobacias, sem recurso a duplos - Chan escreveu, realizou, produziu e coreografou muitos dos filmes em que participa.

O ator respondeu à atribuição do Óscar através do Facebook, tendo agradecido a distinção como um prémio de "encorajamento e reconhecimento" dos feitos enquanto é ainda "jovem", escreveu entre aspas."Sinto-me honrado por ser o primeiro chinês na história a receber este prémio", assinalou.

Para a Academia, Jackie Chan passou as últimas quatro décadas a "encantar as audiências com a sua deslumbrante forma atlética, trabalho inventivo de acrobacias e carisma sem limites".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.