Já só faltam 200 mil euros para se "Pôr o Sequeira no Lugar"

A Fundação Aga Khan deu um apoio "verdadeiramente exemplar" ao doar 200 mil euros

A campanha de aquisição do quadro de Domingos Sequeira "Adoração dos Magos", lançada pelo Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, ultrapassa, a partir de hoje, os 400 mil euros, dos 600 mil necessários, segundo a organização.

"Graças à Fundação Aga Khan, a campanha 'Vamos pôr o Sequeira no lugar certo' entra na fase final", anunciou esta noite fonte da campanha do museu, na página da iniciativa, no Facebook.

"O apoio, verdadeiramente exemplar, corresponde a 1/3 do valor total da subscrição", 200 mil euros, "coroando o esforço dos muitos milhares de portugueses que já a apoiaram", lê-se na mensagem.

De acordo com a edição online do jornal Público, a doação ao MNAA será concretizada na quarta-feira, pelo próprio príncipe Amyn Aga Khan.

Os 200 mil euros doados pela Fundação Aga Khan juntam-se a cerca de outros 200 mil já angariados, desde o final de outubro do ano passado, vindos sobretudo de doações de singulares, muitas delas anónimas ou feitas por transferência bancária, de acordo com o sítio da campanha, patrocinar.publico.pt.

Nesse endereço são também identificadas contribuições de entidades como a Fundação Carmona e Costa e a Fundação Luso-Americana, o Automóvel Clube de Portugal, a associação AGIC de guias e intérpretes, os arquitetos Aires Mateus e a galeria Jorge Welsh, algumas autarquias, como o Município de Cantanhede, pioneiro na doação, e pequenas e médias empresas, de setores que vão da produção audiovisual, aos equipamentos médicos e às instalações elétricas.

No início deste mês, a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) doou dez mil euros para a compra desta tela e, na mesma altura, a Fundação EDP anunciou que ia fazer uma contribuição de 15 mil euros, enquanto a ANA Aeroportos de Portugal prometeu 20 mil euros.

Em janeiro, o agrupamento de Escolas Domingos Sequeira, em Leiria, convidou os seus 2.800 alunos a ajudarem o MNAA a adquirir este quadro do seu patrono e, em dezembro, a Associação Nacional dos Municípios Portugueses e a Associação Nacional de Freguesias apelaram à participação das autarquias.

A campanha de angariação de fundos para comprar a tela "A Adoração dos Magos", lançada no ano passado, "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo", tem como objetivo ajudar o museu a adquirir a obra que Domingos Sequeira pintou em 1828, e da qual o MNAA possui o desenho final e vários preparatórios.

A tela de Domingos Sequeira - considerada "insubstituível" pelo museu - faz parte da série "Palmela", com quatro pinturas religiosas, e o MNAA possui, na sua coleção, os desenhos preparatórios de estudo de todas elas, mas não os respetivos óleos.

O MNAA tem no seu acervo cerca de 30 obras em pintura e desenho de Domingos Sequeira (1768-1837), cujo trabalho realizado, nas primeiras décadas do século XIX, se encontrava no "umbral da modernidade", entre o Classicismo e o Romantismo, de um modo similar a Francisco de Goya, seu contemporâneo na cultura espanhola, atesta o MNAA.

Devido ao seu talento, Domingos Sequeira conseguiu proteção aristocrática e uma bolsa para se aperfeiçoar em Roma, onde privou com vários mestres e conquistou prémios académicos.

A campanha, inédita em Portugal, decorre até abril, e o museu tem toda a informação disponível em neste site.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.