IURD rejeita ligação a canção comparada com tema de Diogo Piçarra

A instituição diz que não "detém qualquer direito sobre esta música"

A Igreja Universal do Reino de Deus declarou hoje que não detém direitos sobre a música que tem sido comparada a "Canção do fim", de Diogo Piçarra, e rejeitou que o intérprete original tenha ligação àquela entidade.

"Face às recentes notícias que referem que a música composta e interpretada pelo cantor Diogo Piçarra na semifinal do festival da canção é um plágio de uma música da IURD [Igreja Universal do Reino de Deus] e de um pastor desta Igreja, vem a IURD esclarecer que tal não corresponde à verdade", pode ler-se numa nota enviada à Lusa.

A instituição sublinhou ainda que não "detém qualquer direito sobre esta música, nem o intérprete ali referenciado tem qualquer relação com a IURD".

O cantor Diogo Piçarra anunciou, na terça-feira à noite, que abandonava a sua participação no Festival da Canção, após acusações de plágio, que já desmentiu.

A decisão acontece um dia depois de a sua "Canção do fim", apurada para a final do festival, ter sido dada como plágio de um tema religioso da IURD, numa comparação que adquiriu dimensão viral nas redes sociais.

Na segunda-feira, Diogo Piçarra rejeitara qualquer ideia de plágio de "Canção do Fim".

"Nunca participaria num concurso nacional com a consciência de que estava a plagiar uma música da Igreja Universal. Teria agarrado na guitarra e feito outra coisa qualquer", afirmou, num comunicado divulgado pela Universal Music.

"Canção do fim" tinha passado à final do Festival da Canção com a pontuação máxima, tanto do júri como do público.

Segundo o músico, a ideia da canção surgira-lhe em 2016, a par de outras que acabaram incluídas no mais recente álbum, "do=s".

"Desconhecia por completo o tema [da Igreja Universal] e continuarei a defender a minha música, por acreditar que foi criada sem segundas intenções", explicou Piçarra, dizendo estar de "consciência tranquila".

"Mantive-a guardada por achar algo especial, no entanto, a sua simplicidade e a sua progressão de acordes não é algo que não tenha sido inventado, tal como tudo na música. E é engraçado como a vida tem destas coisas, coincidência divina ou não, e perceber que a Internet é o verdadeiro juiz dos tempos modernos. Aclama mas também destrói", afirmava, no comunicado de segunda-feira.

A RTP, que organiza o concurso, divulgou entretanto um comunicado em que afirma compreender e respeitar a decisão do compositor e intérprete de "Canção do fim" de se afastar desta edição do festival.

"Independentemente dos argumentos e questões colocadas sobre o tema, a RTP não duvidou em momento nenhum da integridade do artista, cuja carreira já fala por si", escreveu a televisão pública.

Com o afastamento de Diogo Piçarra, passou à final a canção "Mensageira", composta por Aline Frazão e interpretada por Susana Travassos, de acordo com o regulamento, divulgou a RTP.

A final do Festival da Canção realiza-se no domingo, no Pavilhão Multiusos de Guimarães, e será transmitida em direto na RTP1, RTP Internacional e RTP Play.

O vencedor do Festival da Canção irá participar em maio no Festival da Eurovisão da Canção, que este ano se realiza em Lisboa.

Em 2017, Salvador Sobral venceu o Festival da Eurovisão da Canção com o tema "Amar pelos dois", composto por Luísa Sobral.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.