Investigadores descartam câmaras ocultas no túmulo do faraó Tutankamon

El trabajo de investigación en una fotografía proporcionada por el Ministerio de Antigüedades de Egipto.

Uma equipa de investigadores italianos descartou a possibilidade da existência de câmaras ocultas no túmulo do faraó Tutankamon, hipótese que entusiasmou nos últimos anos os meios académicos, anunciaram as autoridades egípcias.

Os investigadores da Universidade Politécnica de Turim, liderados por Francesco Porcelli, usaram um radar de precisão que consegue detetar através das rochas, segundo um comunicado do Ministério de Antiguidades, do Egito, citado pela agência noticiosa espanhola Efe.

Segundo a mesma fonte, não há qualquer evidência de descontinuidades nas paredes do túmulo, tendo sido identificada a transição da rocha natural para as estruturas que constituem as paredes da sepultura.

Não há nenhuma evidência da existência de batentes ou umbrais das portas, ou "refletores planos", o que poderia indicar a existência de paredes de uma câmara funerária ou áreas vazias escondidas, por detrás das pinturas a fresco que adornam as paredes da tumba do jovem faraó.

Porcelli afirmou que os testes são "conclusivos" e que pode ser descartada "com um elevado grau de confiança" a hipótese da existência de câmaras escondidas ou corredores adjacentes à tumba.

Este é o terceiro estudo por radar realizado nos últimos anos no local, concretizado para pôr termo à controvérsia gerada pelos resultados contraditórios dos dois primeiros, feitos por uma equipa japonesa e outra norte-americana.

Estas investigações foram efetuadas para tentar confirmar a hipótese formulada em 2015 pelo egiptólogo britânico Nicholas Reeves, que sugeriu que a câmara funerária da rainha Nefertiti poderia estar ocultada por detrás das paredes norte e oeste do túmulo.

A suposição de Reeves baseou-se numa racha na parede do lado norte do sepulcro do "faraó menino" que seria uma porta selada e que levaria a uma possível câmara escondida.

Tutankamon terá nascido em 1346 antes de Cristo (A.C.) e morreu em 1327 A.C., aos 19 anos, tendo reinado entre os anos de 1336 e 1327 A.C.. Sucedeu ao seu pai, o faraó Akhenaton, mas tem suscitado várias dúvidas entre os egiptólogos.

Tutankamon foi o último faraó da XVIII dinastia e durante o seu curto reinado recuperou Memphis como capital do Egito e retomou o politeísmo, abandonado pelo pai, que proclamara Aton como o único deus.

O túmulo de Tutankhamon, no Vale dos Reis, atual Luxor, descoberto em 1922, foi o primeiro de um faraó encontrado intacto, pois todos os outros túmulos reais tinham sido saqueados em maior ou menor grau séculos atrás.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.