Inéditos de Van Gogh revelados esta tarde em Paris

Um caderno de desenhos inéditos do pintor holandês é revelado esta tarde, chegando às livrarias na quinta-feira.

Pouco se sabe ainda sobre este livro, para além do título, Vincent Van Gogh, o nevoeiro de Arles, o caderno encontrado, e a capa: um autorretrato com chapéu de palha, até então desconhecido.

O livro de 288 páginas que, segundo a editora francesa Le Seuil, contém "um número significativo de desenhos, mais de uma dúzia", é assinado por uma das maiores especialistas na obra do pintor holandês, a canadiana Bogomila Welsh-Ovcharov, uma das curadoras da exposição Van Gogh em Paris, em 1988, no Museu d'Orsay.

"Este caderno é conhecido apenas pelos proprietários, por mim e pela editora", disse há alguns meses à agência noticiosa AFP Bernard Comment, editor da obra, que em 2014 reeditara uma biografia do artista holandês, escrita por Viviane Forrester. O original é mantido por um proprietário privado.

"Surpreendente " e "deslumbrante" foram os adjetivos utilizados pelo editor quando questionado sobre o conteúdo. Sobre este achado, já classificado pela imprensa francesa como "um tesouro". Bernard Comment explicou que "estes desenhos formam um conjunto muito impressionante, a sua autenticidade está assegurada por vários indícios: não nos comprometemos com este projeto de ânimo leve". O editor assegurou ainda que "houve todo um trabalho científico para atestar que o caderno foi de facto utilizado por Van Gogh".

O livro será publicado simultaneamente na quinta-feira em França, nos Estados Unidos, no Reino Unido, na Alemanha, na Holanda e no Japão, com um preço de capa na Europa de 69 euros. Esta tarde é apresentado durante uma conferência de imprensa na Academia da Arquitetura, em Paris.

Um autorretrato inédito na capa

Van Gogh estabeleceu-se em Arles no fim da vida. Foi ali que, em 23 de dezembro de 1888, cortou parte da sua orelha após uma discussão com o amigo e também pintor Paul Gauguin. Menos de dois anos depois, a 29 de julho de 1880, o artista cometeu suicídio aos 37 anos em Auvers-sur-Oise.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.