Incêndios e outras fotografias premiadas no Estação Imagem

Patrícia Moreira foi a grande vencedora deste ano. Veja os outros premiados.

A fotojornalista da agência France-Presse (AFP) Patrícia de Melo Moreira venceu o prémio Estação Imagem 2018 Coimbra com o trabalho "Verão Negro", sobre os incêndios que assolaram o país no ano passado, anunciou hoje a organização.

Com o trabalho para a agência France-Presse sobre os grandes incêndios de 2017, Patrícia de Melo Moreira é a primeira fotojornalista mulher a arrecadar o prémio principal do Estação Imagem, que vai na sua nona edição e que premiou vários fotojornalisas da Global Imagens (do grupo a que pertence o DN), que pode ver na íntegra AQUI.

A Fotografia do Ano foi atribuída ao galego Gabriel Tizon, com "O Frio dos Refugiados", em que retrata um jovem refugiado na fronteira entre a Sérvia e a Croácia, tendo os fotojornalistas Nuno André Ferreira e Filipe Amorim recebido uma menção honrosa por "Incêndios" (sobre os incêndios de outubro, em Tondela) e "Bons Amigos" (que capta um pontapé de um futebolista a um colega de equipa), respetivamente.

Os incêndios de 2017, que afetaram em particular a região Centro do país, estiveram presentes noutras categorias da edição deste ano do Estação Imagem, com a distinção para "Um País em Luto", de Rui Duarte Silva, na categoria de Notícias, e com "Incêndios Florestais em Portugal", de Mariline Alves, na categoria de Ambiente.

Esta é a fotografia da Menção Honrosa atribuída a Filipe Amorim, colaborado da Global Imagens (do grupo a que pertence o DN), com uma imagem captada no jogo entre Oleiros e Sporting para a Taça de Portugal:

Em Assuntos Contemporâneos, Luís Preto foi o distinguido, com "Maciço Antigo", um trabalho em torno da "mutação do mundo rural português", por entre montanhas e planaltos do Minho e Trás-os-Montes, numa categoria onde José Ferreira recebeu uma menção honrosa com "Foras da Lei".

O fotojornalista da Glonal Imagens Rui Oliveira, com "O Bairro Esquecido", sobre o Bairro do Aleixo, no Porto, ganhou na categoria de Vida Quotidiana, em que também arrecadou uma menção honrosa com o trabalho "O Renascer de Isabel Batata Doce", sobre a história de uma mulher que tinha sido trazida para Portugal ainda bebé por um grupo de soldados portugueses, durante a guerra colonial em Angola, e que, 52 anos depois, decidiu regressar à sua terra natal.

Gonçalo Delgado venceu no domínio de Arte e Espetáculos, com "A Semana Santa de Braga", e António Pedro Santos em Desporto, com "À prova de água", sobre o atleta federado na modalidade de natação adaptada Alexandre Albernaz. Ambos são colaboradores da Global Imagens.

O fotojornalista da Global Imagens Leonel de Castro ganhou a distinção em Série de Retratos, com "Chaga" - um ensaio sobre o cancro da mama na mulher e o conflito que surge entre "doença e amor" -, categoria em que Mário Lopes Pereira recebeu uma menção honrosa por "Mai Novo", sobre um projeto de barbeiros que trabalham com sem-abrigo.

O prémio Noroeste Peninsular foi para "O Salto", de Bruno Fonseca, e o prémio Europa para Rui Duarte Silva, com "Geração X", sobre a nova geração "de estudantes sem fronteiras".

As bolsas de Estação Imagem 2018 Viana do Castelo e Coimbra foram entregues, respetivamente, a Gonçalo Delgado, com um projeto sobre a forma como as famílias no Minho vivem através da agricultura, e a Bruno Silva, com a proposta de abordar a "problemática da saudade" em Coimbra.

O presidente do júri da nona edição do Prémio Estação Imagem foi Santiago Lyon, presidente do júri do World Press Photo 2013 e antigo diretor de fotografia da agência de notícias norte-americana Associated Press. No júri do concurso deste ano estiveram também os fotojornalistas Sara Naomi Lewkowicz, Marco Longari e Tanya Habjouqa. O prémio destina-se a premiar reportagens de fotógrafos portugueses, dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), e da Galiza, ou feitas por estrangeiros nestes territórios.

Coimbra é, pela primeira vez, a anfitriã deste festival de fotojornalismo, que, no passado, decorreu em Mora e em Viana do Castelo. A exposição com os trabalhos vencedores será inaugurada a 2 de Junho no Convento São Francisco, onde poderá ser visitada até 10 de Julho.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.