Improvável contador da verdade

O realizador está destacado na Guilda dos Realizadores. Com A Queda de Wall Street muda da comédia para a "comédia séria"

É já um dos campeões da temporada dos prémios. Adam McKay é um herói improvável, um realizador vindo da comédia mainstream que consegue a aclamação da crítica americana com esta sua "comédia séria" sobre a crise da queda de Wall Street em 2008. Este é o mesmo Adam McKay de Anchorman - O Repórter e Que Se Lixem as Notícias.

Um dos príncipes (será rei?) da nova comédia americana que esta semana já viu o seu nome na lista para melhor realizador nos prémios da Guilda dos Realizadores Americanos com A Queda de Wall Street, ao lado de Tom McCarthy, Ridley Scott, Iñarritu e George Miller. Ou seja, terá tirado o lugar a ilustres como Tarantino, Todd Haynes e Steven Spielberg. Em Londres, garante-nos, não acredita que possa vir a ganhar o Óscar mas já está muito feliz em ter chegado aos Globos de Ouro.

Com a sua voz cortante e um sorriso malicioso conta-nos também que quer que o filme incomode os banqueiros americanos e não nega a vertente de cinema- -denúncia: "Eles não estão a gostar de estarmos a dizer de forma explícita o que se passou. Está lá tudo, inclusive os nomes deles... Muitos investiram para que esta crise não fosse explicada! Os jornais do Robert Murdoch adorariam que tudo isto fosse esquecido. A verdade é que mostrei o filme a professores catedráticos de Economia e banqueiros ingleses e todos concordam: foi isto que aconteceu na queda da bolsa em 2008!"

A Queda de Wall Street é um filme que nos vai tornar mais céticos em relação à integridade bancária em geral, mas também será sempre lembrado como o filme que nos deu Margot Robbie numa banheira a explicar-nos o que são subprimes... " e no fim aquela última frase é improvisação dela", assegura o realizador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.