Imaginação sem limites em mais uma edição do Comic-Con

Personagens do cinema, séries, videojogos, banda desenhada, anime, manga e cosplay ganham vida em Matosinhos.

Começou mais uma edição Comic--Con e Matosinhos parece uma zona de chegada de seres vindos de todas as partes do universo, nem que seja do televisivo e do cinema. Muitas personagens estranhas, até dos filmes e séries B da ficção científica, mas a maioria são conhecidas e vão andar por ali até ao fim do próximo domingo.

Por isso, pode dizer-se que todos os caminhos vão dar a um conjunto de hangares ocupados por cenários diversos, inspirados na indústria cinematográfica, televisiva, nos videojogos, na banda desenhada, anime e tudo o que envolve o imaginário da ficção. No exterior, quem não estiver a par da agenda, pode estranhar os mascarados que se encaminham para o evento de cultura pop multidisciplinar.

A atriz Rila Fukushima, do elenco de "Wolverine", é uma das estrelas convidadas desta edição. A manequim japonesa avisou que não quer deixar o Porto sem comer uma francesinha

Ao longe, veem-se cabeleiras coloridas e vestes excêntricas que já participaram num qualquer filme ou série televisiva de renome. Já no interior e em todos os pavilhões, coabitaram monstros e super-heróis, naves de Star Wars, castelos como o das história de Harry Potter, com figurantes a rigor, e cosplayers a competir pelo mais arrojado visual.

Em muitos casos, a timidez esconde-se atrás da máscara que dá nas vistas no evento. É o caso de Rute Foz, que se caracterizou de Gata Negra da famosa série Super-Homem, mas preferiu que fosse o marido, José Foz, a explicar ao DN que foi a paixão pela "banda desenhada" que os tirou de Braga. O casal fez-se acompanhar pelos filhos, Leandro, de 9 anos, "que também já aprecia bastante BD", e Débora, de 6, cada um vestido à imagem das personagens de eleição, "para um dia diferente a ser recordado para sempre".

Borja e Belén são namorados. Vieram da Galiza - ele de Ourense, ela de Vigo - e, além do sentimento, partilham "a paixão por esta cultura". Belén repete a experiência, assumindo que "vale bem a viagem". Inspirou-se na série Star Trek para a indumentária que comprou, enquanto Borja costurou "à mão" um Dragon Ball a rigor.

Dois participantes da convenção, ontem, na Exponor

Com cara de poucos amigos mas muito profissional, Beatriz Fragoso Martins, de apenas 5 anos, encarnou na perfeição o cosplay do dia tirado do último filme Star Wars e nem o sabre luminoso faltou. "Ela vem desde a primeira edição, ou seja, desde os 3 anos, e sempre vestida em consonância. A Beatriz gosta muito de super-heróis, experimentámos e, como se portou lindamente, regressamos sempre", recordou a mãe, Rafaela Fragoso. Por perto, estava o marido, João Martins, com o filho mais novo, Vasco, de 2 anos, acabado de se estrear nas lides. Vivem na Maia e prometem assiduidade até domingo.

Com muitas ofertas e área alargada, a Comic-Con proporciona a oportunidade de tatuar na pele personagens de eleição no Fox Tattoo Studio. Diretamente de Pombal, Rodrigo Paulo não hesitou em seguir a sugestão do irmão - que "já tinha estado no ano passado - para estar no certame e tatuar "a Maggie dos Simpsons no bíceps".

Ao longo das quatro jornadas, a iniciativa receberá cerca de 200 convidados para as mais variadas ações, entre lançamentos e estreias. Da televisão e sétima arte, há nomes bem conhecidos, como Cobie Smulders (em Foi assim Que Aconteceu), Lennie James (Morgan Jones na série The Walking Dead), Kevin Sussman (que dá vida a Stuart na icónica Teoria do Big Bang, Jason Isaacs (o bajulador Lucius Malfoy em Harry Potter), Katie Leong (que entrou nos filmes inspirados nos livros de J.R. Rowling) ou Rila Fukushima.

A atriz e manequim japonesa foi das primeiras a dar uma conferência de imprensa, em que recuou até ao despertar para a representação, "em Nova Iorque", como a tradutora e guarda-costas Yukio em Wolverine. Falou ainda do seu mais recente projeto, Ghost in the Shell, e da experiência em contracenar com Scarlett Johansson. Hospedada em Vila Nova de Gaia, "com uma excelente vista sobre o Porto", Rila mostrou interesse "em provar a tão famosa francesinha", cujo nome literalmente traduzido para inglês a divertiu.

'Cosplayers' às centenas circulam pela Exponor inspirados pela ficção

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".