Imaginação sem limites em mais uma edição do Comic-Con

Personagens do cinema, séries, videojogos, banda desenhada, anime, manga e cosplay ganham vida em Matosinhos.

Começou mais uma edição Comic--Con e Matosinhos parece uma zona de chegada de seres vindos de todas as partes do universo, nem que seja do televisivo e do cinema. Muitas personagens estranhas, até dos filmes e séries B da ficção científica, mas a maioria são conhecidas e vão andar por ali até ao fim do próximo domingo.

Por isso, pode dizer-se que todos os caminhos vão dar a um conjunto de hangares ocupados por cenários diversos, inspirados na indústria cinematográfica, televisiva, nos videojogos, na banda desenhada, anime e tudo o que envolve o imaginário da ficção. No exterior, quem não estiver a par da agenda, pode estranhar os mascarados que se encaminham para o evento de cultura pop multidisciplinar.

A atriz Rila Fukushima, do elenco de "Wolverine", é uma das estrelas convidadas desta edição. A manequim japonesa avisou que não quer deixar o Porto sem comer uma francesinha

Ao longe, veem-se cabeleiras coloridas e vestes excêntricas que já participaram num qualquer filme ou série televisiva de renome. Já no interior e em todos os pavilhões, coabitaram monstros e super-heróis, naves de Star Wars, castelos como o das história de Harry Potter, com figurantes a rigor, e cosplayers a competir pelo mais arrojado visual.

Em muitos casos, a timidez esconde-se atrás da máscara que dá nas vistas no evento. É o caso de Rute Foz, que se caracterizou de Gata Negra da famosa série Super-Homem, mas preferiu que fosse o marido, José Foz, a explicar ao DN que foi a paixão pela "banda desenhada" que os tirou de Braga. O casal fez-se acompanhar pelos filhos, Leandro, de 9 anos, "que também já aprecia bastante BD", e Débora, de 6, cada um vestido à imagem das personagens de eleição, "para um dia diferente a ser recordado para sempre".

Borja e Belén são namorados. Vieram da Galiza - ele de Ourense, ela de Vigo - e, além do sentimento, partilham "a paixão por esta cultura". Belén repete a experiência, assumindo que "vale bem a viagem". Inspirou-se na série Star Trek para a indumentária que comprou, enquanto Borja costurou "à mão" um Dragon Ball a rigor.

Dois participantes da convenção, ontem, na Exponor

Com cara de poucos amigos mas muito profissional, Beatriz Fragoso Martins, de apenas 5 anos, encarnou na perfeição o cosplay do dia tirado do último filme Star Wars e nem o sabre luminoso faltou. "Ela vem desde a primeira edição, ou seja, desde os 3 anos, e sempre vestida em consonância. A Beatriz gosta muito de super-heróis, experimentámos e, como se portou lindamente, regressamos sempre", recordou a mãe, Rafaela Fragoso. Por perto, estava o marido, João Martins, com o filho mais novo, Vasco, de 2 anos, acabado de se estrear nas lides. Vivem na Maia e prometem assiduidade até domingo.

Com muitas ofertas e área alargada, a Comic-Con proporciona a oportunidade de tatuar na pele personagens de eleição no Fox Tattoo Studio. Diretamente de Pombal, Rodrigo Paulo não hesitou em seguir a sugestão do irmão - que "já tinha estado no ano passado - para estar no certame e tatuar "a Maggie dos Simpsons no bíceps".

Ao longo das quatro jornadas, a iniciativa receberá cerca de 200 convidados para as mais variadas ações, entre lançamentos e estreias. Da televisão e sétima arte, há nomes bem conhecidos, como Cobie Smulders (em Foi assim Que Aconteceu), Lennie James (Morgan Jones na série The Walking Dead), Kevin Sussman (que dá vida a Stuart na icónica Teoria do Big Bang, Jason Isaacs (o bajulador Lucius Malfoy em Harry Potter), Katie Leong (que entrou nos filmes inspirados nos livros de J.R. Rowling) ou Rila Fukushima.

A atriz e manequim japonesa foi das primeiras a dar uma conferência de imprensa, em que recuou até ao despertar para a representação, "em Nova Iorque", como a tradutora e guarda-costas Yukio em Wolverine. Falou ainda do seu mais recente projeto, Ghost in the Shell, e da experiência em contracenar com Scarlett Johansson. Hospedada em Vila Nova de Gaia, "com uma excelente vista sobre o Porto", Rila mostrou interesse "em provar a tão famosa francesinha", cujo nome literalmente traduzido para inglês a divertiu.

'Cosplayers' às centenas circulam pela Exponor inspirados pela ficção

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.