Ian McEwan bem servido por Emma Thompson

Dose dupla do escritor Ian McEwan no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF). Adaptações de The Children Act e On Chesil Beach dão que falar num festival com alguns percalços.

Biopics, histórias verdadeiras e documentários com figuras pop. No Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF) essas são as marcas mais fortes neste ano, mas muito curioso é perceber que as adaptações literárias têm também muita saída, que o diga Ian McEwan. O escritor inglês teve adaptados dois dos seus romances para o cinema e ambos estão em Toronto. On Chesil Beach/Na Praia, é dirigido por Dominic Cooke e The Children Act/A Balada de Adam Henry, por Richard Eyre.

O primeiro é uma adaptação bem-comportada que não está a criar entusiasmos fervorosos nos corredores dos lóbis dos prémios, enquanto o segundo é um triunfo instantâneo. The Children Act é mais uma prova de que a prosa de McEwan proporciona geralmente bom cinema. O filme é alavancado por uma interpretação sóbria e poderosa de Emma Thompson, uma juíza que enfrenta um dilema moral quando tem de decidir sobre um caso em que uma família de Testemunhas de Jeová recusa que o seu filho seja tratado através de transfusão de sangue. Um caso mediático que surge num momento da sua vida muito delicada, precisamente na altura em que o seu casamento se está a desmoronar.

Richard Eyre, o realizador, habituado à escrita de McEwan (realizou A Verdade dos Factos, em 1983, um dos primeiros argumentos do escritor), apanha-nos emocionalmente de surpresa. Ficamos muito próximos dos dilemas desta juíza, algures perdida entre os rigores da lei e as batidas do seu coração. Eyre, amigo pessoal de McEwan, consegue ainda outra proeza: deixa que a especialidade do escritor, o sentimento de descrição dos locais e a forma como os mesmos afetam as personagens, tome conta de tudo. Aquela sala de tribunal e o cerimonial da tradição jurídica britânica são elementos trabalhados com minúcia. Nada naquele teatro de muitos protocolos parece estar a mais e joga muitíssimo bem com a forma como somos convidados a espreitar a intimidade da infelicidade de uma mulher.

Não fosse um último terço algo piegas, teríamos um filme de outra ambição, mas The Children Act é uma pujante interrogação ética sobre o bem e o mal. É sempre ótimo quando o cinema tenta ser um espetáculo sobre as nossas noções de âmbito religioso. A essência de McEwan está intacta! E a boa notícia é que já está comprado para Portugal.

Na azáfama das galas e das festas, o festival tem sido marcado por atrasos desconcertantes. Se antes Toronto era um festival conhecido pela sua organização meticulosa, neste ano parece predominar uma certa balbúrdia. Ontem, Mary Shelley, o filme de Haifaa Al-Mansour, começou com algum atraso, e a sessão de imprensa de A Montanha entre Nós, de Hany-Abu Assad, com a atriz Kate Winslet, foi anulada.

Já agora, de referir que a vida da escritora de Frankenstein deu origem a uma das piores xaropadas vistas em muitos anos no TIFF. A realizadora Haifaa Al-Mansour fez um biopic previsível e infantil sobre uma escritora que lutou pelo direito à emancipação feminina no século XIX. A única luz do filme é uma buliçosa Elle Fanning, que dá alguma dignidade à coisa. Cinema televisivo do pior...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.